Publicidade

Publicidade

28/08/2009 - 13:54

Times de futebol com nome de gente — parte 2

Compartilhe: Twitter

O post sobre times de futebol com nome de gente rendeu muitos comentários. Por isso, resolvi voltar ao assunto, com outros nomes. A diferença é que, dessa vez, a maioria dos times é brasileira.

Para começar, o Clube de Regatas Vasco da Gama, que leva o nome do descobridor português do século XVI. Ele foi homenageado porque em 1898, ano de fundação do clube, a descoberta do caminho marítimo para a Índia, feita por ele, completava 400 anos. Na foto abaixo, você pode ver Geovani e Zico, maior ídolo do Flamengo, usando a camisa do Vasco. Foi no jogo contra o La Coruña, da Espanha, em 24 de março de 1993, na despedida dos campos de Roberto Dinamite.

Os imigrantes portugueses que moram no Rio de Janeiro sempre ajudaram o Vasco. Uma boa história está no livro “Bola Fora“, de Paulo Vinícius Coelho, o PVC da ESPN-Brasil. Segundo ele, na década de 1920, jogadores pobres do Vasco recebiam salários como se fossem funcionários dos armazéns de portugueses. Assim poderiam treinar durante o dia, em vez de trabalhar. Isso fazia com que o time jogasse melhor que a maioria — já que treinar, naquela época, não era um hábito entre os clubes de futebol.

O Clube Náutico Marcílio Dias, fundado na cidade de Itajaí (SC), em 17 de março de 1919, também homenageia uma pessoa. Como muitos outros clubes de futebol, o Marcílio Dias começou disputando apenas provas de remo. Por isso, nada mais propício que pegar emprestado o nome de um marinheiro. O gaúcho Marcílio Dias morreu na Batalha do Riachuelo, durante a Guerra do Paraguai. O Marcílio Dias manda os seus jogos no estádio Hercílio Luz.

Aliás, o ex-governador de Santa Catarina Hercílio Luz também foi homenageado por um time de futebol, o Hercílio Luz Futebol Clube, de Tubarão. Fundado em 22 de dezembro de 1918, o “Leão do Sul” ficou 15 anos sem um time de futebol profissional, de 1993 a 2008, quando voltou aos campos. Esse ano, a equipe está disputando a segunda divisão do campeonato catarinense, que termina em novembro. É líder do returno, com 10 pontos.

Foi de Nova York que saiu o hidroavião Sampaio Corrêa II (foto), em novembro de 1922. Exatos 5.678 quilômetros depois, ele fez seu pouso final no Rio de Janeiro, em fevereiro do ano seguinte. Os pilotos eram o brasileiro Pinto Martins e o americano Walter Hinton. No meio do caminho, passou pela cidade de São Luís (MA), no dia 12 de dezembro de 1922, onde acabou por batizar um time de futebol. A Associação Sampaio Corrêa Futebol Clube foi criada em 25 de março de 1923. O avião tinha sido doado pelo senador carioca José Mattoso de Sampaio Corrêa, presidente do Aeroclube Brasileiro, que recebeu a homenagem.

Assim como o Perilima do primeiro post, a Sociedade Esportiva Matsubara, de Cambará (PR), teve o nome inspirado no presidente do clube. Em 18 de dezembro de 1975, Sueo Matsubara, imigrante japonês, fundou o clube com seu sobrenome. A avenida em frente ao estádio regional de Cambará, onde o time manda seus jogos, também leva o nome de um Matsubara, Tsuneto.

No primeiro dia do ano de 1910, na casa de Nicolás Marin Moreno, surgiu o Club Atlético Argentinos de Vélez Sarsfield — que, três anos depois, seria abreviado para Club Atlético Vélez Sarsfield. O homenageado foi o advogado e político argentino Dalmacio Vélez Sarsfield, que escreveu o código civil argentino em 1869. Uma das marcas registradas do Vélez é o grande “V” que tem no uniforme. A maior conquista do time foi a Taça Intercontinental de 1994, em cima do Milan. Para tanto, os argentinos impediram o São Paulo de ser tri da Libertadores.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo