Publicidade

Publicidade

30/03/2010 - 18:20

Como mudar de nome ou sobrenome

Compartilhe: Twitter

Na Folha de S. Paulo de hoje, uma professora paulistana chamada Maria Nardoni, 56 anos, falou sobre  os constrangimentos que tem passado desde que estourou o caso “Nardoni”. Embora não tenha nenhum parentesco com o assassino da própria filha, ela vive sendo olhada de lado toda vez que precisa apresentar um documento. Alguns de seus parentes já receberam até ameaças pelo telefone. Tudo por causa do sobrenome.

Fazer mudanças no nome não é uma tarefa das mais simples. Para começar,  é preciso entrar com uma ação na Justiça e provar que o nome ou o sobrenome causam algum tipo de constrangimento ou situação vexatória. Os motivos podem variar de homônimos (pessoas com nomes idênticos), erros de digitação do escrivão no momento do registro ou até mesmo nomes, digamos, excêntricos demais, como Domingão Sabatino Gomes, Japodeis da Pátria Torres ou Grande Felicidade Virgínia dos Reis. Sim, essas pessoas existem.

Para acrescentar apelidos ao nome, o processo judicial é quase o mesmo. O interessado deve  provar que tem um público bastante grande que o conhece por aquele codinome.  Foi assim com Maria da Graça, que incorporou o “Xuxa” , e com Luís Ignácio, que colocou o “Lula”.

Outro caso famoso de mudança de nome foi do médium Chico Xavier. Ele só passou a se chamar Francisco Cândido aos 56 anos. Antes disso, ele era Francisco de Paula Cândido. Ele nasceu em 2 de abril, dia de São Francisco de Paula. Daí a escola do nome. Ao deixar de ser católico, ele resolveu  desvincular seu nome do santo.

Vale lembrar que nomes com pendências não podem ser trocados. Pessoas que respondem a processos criminais ou possuem dívidas em seu nome não podem pedir alteração na certidão de registro.

Autor: - Categoria(s): Brasil, Cotidiano, Jornalismo Tags: , , , , , , ,
27/11/2009 - 22:33

Do calhambeque à kombi branca

Compartilhe: Twitter

Tudo começou no tempo da Jovem Guarda, com o calhambeque de Roberto Carlos. Agora, o mundo da música está cheio de composições automotivas: brasílias amarelas, fuscas pretos, crossfoxes e até mesmo uma kombi branca!

Na carona da neo-celebridade da Internet Stefhany, a cantora Vitória Matos resolveu provar que sua kombi branca também pode ser absoluta! Na música “Kombi Branca”,  Vitória canta as dores do amor a bordo do carro popular.  O clipe, é claro, é de baixo orçamento e conta com incríveis atuações da própria cantora e de um príncipe nada encantado.

Você nunca ouviu falar de Stefhany? A cantora do Piauí subiu em seu Crossfox e soltou a voz em uma versão em português da música “A Thousand Miles”, da cantora Vanessa Carlton. O clipe amador em que Stefhany dirigia e fazia coreografias a la Beyoncé virou hit no Youtube.

Existem mil garotas / Querendo passear comigo / Mas é por causa /Desse Calhambeque

Em 1965, Roberto Carlos descobriu que os brotos topavam andar até mesmo no seu calhambeque velho. Assim, durante as comemorações de seus 50 anos de carreira, ele dirigiu um legítimo calhambeque, um Ford azul T 1929. O tal calhambeque não era reformado desde 1978. A repaginada ficou por conta do bicampeão de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi. As únicas exigências do Rei foram a cor do carro (azul), um som potente e ar-condicionado.   Será que os brotos aprovaram?

Jeca Mineiro e Atilio Versutti são os compositores da música “Fuscão Preto”, consagrada na voz de Almir Rogério no início dos anos 80. O sucesso foi tanto que a música serviu de base para o roteiro do filme “Fuscão Preto” (1983) , no qual o cantor contracenou com a apresentadora Xuxa. Sem tirar o pé do acelerador Almir Rogério logo gravou a continuação musical  “O Motoqueiro”.

Carro Velho
Em 1998, quando ainda pulava ao lado da Banda Eva, Ivete Sangalo embalou o trios elétricos com a música “Carro Velho”. O último álbum com participação da cantora “Eva, Você e Eu” vendeu 700 mil cópias.

Os carros estão mesmo por toda parte, não é mesmo?

Autor: - Categoria(s): Baú Tags: , , , , , , , , , , , ,
26/09/2009 - 23:11

A volta da pochete e outras modas do passado

Compartilhe: Twitter

Sinal dos tempos. O estilista Marc Jacobs resgatou do fundo do baú a  pochete – diretamente para as cinturas das modelos nas passarelas de Nova York. O acessório fez bastante sucesso nos anos 90, mas ficou associado a uma imagem de desleixo e mau gosto. Mesmo assim, especialistas em moda acreditam que a reedição da pochete vai pegar no público mais moderninho.

0,,15489700-FMM,00

E, já que a onda é ressuscitar o melhor (?) das décadas passadas, por que não pensar na volta de outras modas “bregas”? As ombreiras, por exemplo, reapareceram nas roupas de celebridades do calibre da supermodelo Kate Moss e da apresentadora Xuxa.

62530,715,80

A meia lurex era brilhante e foi feita para ser usada com sandálias de salto fino – celebrizada por Sônia Braga na novela “Dancin’ Days”.  O problema é que o tecido “pinicava” e era bastante incômodo.

1978-dancin-days-1g

Qual será o próximo acessório a sair do limbo da moda? Alguém arrisca um palpite?

Autor: - Categoria(s): Celebridades, moda Tags: , , , , , , ,
19/06/2009 - 17:32

O clone peruano da Xuxa

Compartilhe: Twitter

Em 1991, o programa “Xou da Xuxa”, apresentado pela rainha dos baixinhos, passou a ser transmitido para outros 17 países da América Latina com o nome de “El Show de Xuxa”. Mas não é que a apresentadora loira foi clonada por um canal de TV latino!

Já mostrei aqui no blog uma versão de “Ilariê” em chinês. Mas a cópia aqui em questão é totalmente deslavada. Foi feita pela rede de TV peruana Panamericana.  Tirando o nome – a “rainha dos baixinhos” do Peru se chamava  July Mayocchi – é tudo muito parecido com a original brasileira. Até as paquitas foram clonadas.

O “Xou da Xuxa” foi ao ar no Brasil entre 1986 e 1992. Alguém aí ainda tem saudades?

Autor: - Categoria(s): Baú, Televisão Tags: , , , , ,
12/06/2009 - 19:59

"Ilariê" da Xuxa em versão chinesa

Compartilhe: Twitter

Uma geração inteira de crianças brasileiras cresceu ao som de “Ilariê”. Não é para menos – lançado originalmente em 1988, o disco “Xou da Xuxa 3” entrou para o “Guiness – O Livro dos Recordes” como o disco infantil mais vendido até então, com a marca de 3 milhões de cópias.

Foi o auge do sucesso da apresentadora Xuxa Meneghel, que comandou o programa infantil “Xou da Xuxa” de 1986 a 1992. Em 23 anos de carreira, Xuxa vendeu cerca de 26 milhões de cópias de seus álbuns – dois deles lançados com músicas traduzidas para o espanhol.

Duas décadas depois, a repercussão mundial das músicas da Xuxa continua a todo vapor. Pois até mesmo os baixinhos da China resolveram pular ao som de “Ilariê”!  O trio feminino I.N.G. adaptou o hino dos baixinhos brasileiros e transformou “Ilariê” em “Jian Jian Mei”. Quer ver como ficou? À vontade:

Autor: - Categoria(s): Celebridades, Música, Televisão Tags: , , , , , , , ,
10/12/2008 - 16:45

As "boleiras" da Playboy

Compartilhe: Twitter

Não acho que a contratação de Ronaldo Fenômeno pelo Corinthians tenha sido a notícia mais bombástica do futebol dos últimos tempos. Nem o hexacampeonato do São Paulo. Muito menos saber que o presidente da Federação Paulista não será mais convidado para ver o show da Madonna no Morumbi. A grande bomba, sem sombra de dúvida, é a capa da revista Sexy deste mês com as fotos de Dany Cavalieri, mulher do goleiro Diego Cavalieri, ex-Palmeiras, agora no Liverpool, da Inglaterra. Ela está na capa e em mais 21 páginas! Digo que é uma grande bomba porque o futebol é ainda um mundo muito machista e tamanha ousadia chama a atenção. Na Europa, isso é mais comum (ontem, aqui no IG, vimos a ex-namorada de Cristiano Ronaldo, que apareceu nua num calendário). No Brasil, são poucos os casos como o de Dany Cavalieri.

É só lembrar tudo o que aconteceu com a bandeirinha Ana Paula Oliveira depois de ter feito um ensaio para a Playboy. Foi apitar jogos da antipenúltima divisão.

Assim, de cabeça, lembro da atriz Terezinha Sodré, mulher do capitão do tri Carlos Alberto Torres, capa da Playboy em outubro de 1986 (somente no Rio de Janeiro. Em outras capitais, ela saiu numa janelinha da capa).

Talvez você lembre de várias namoradas ou ex-namoradas de jogadores que saíram peladas. Duas ex-namoradas do próprio Fenômeno saíram juntas num mesmo ensaio em janeiro de 1998: Nádia França e Viviane Brunieri (que se tornou estrela de filmes pornôs).

Karen Matzenbacher posou para Playboy em abril de 1995. Na época, ela foi apresentada como namorada de um zagueiro da Seleção Brasileira de 1994. Oito meses depois, ela se casaria com o centroavante Jardel e passaria a assinar como Karen Ribeiro. Os dois se separaram em 2002.

Mari Alexandre, hoje sra. Fábio Júnior, também passou pela capa de Playboy em abril de 1992 e foi namorada de Juninho Paulista, ex-São Paulo, Palmeiras e Vasco.

Em fevereiro de 1995, a revista causou escândalo com o ensaio de Andréa de Oliveira, que se apresentava como amante do centroavante Romário. Foi o maior bafafá.

A aniversariante de hoje, Luma de Oliveira, foi namorada do ex-jogador e agora técnico (no momento desempregado) Renato Gaúcho. Ele contou detalhes do relacionamento numa entrevista à revista Interview. Mas Luma já havia posado para a Playboy em setembro de 1987, antes do relacionamento.

Em janeiro deste ano, a Playboy trouxe também do jeito que veio ao mundo Letícia Carlos, já ex-namorada do são-paulino Richarlysson. Alguns jornais chegaram a noticiar um pequeno affair de Letícia com outro jogador, Denílson, então no Palmeiras.

Você deve estar pensando que esqueci da principal… Xuxa, a namorada de Pelé. Não. Achei melhor não colocar foto da capa de Playboy de dezembro de 1982. Xuxa tem uma porção de advogados que ficam monitorando a internet e mandando notificações para quem ousar publicar algo que ela quer que as pessoas esqueçam. Então melhor não mexer com ela.

Autor: - Categoria(s): Celebridades Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
23/10/2008 - 11:21

Presente de Pelé era a Xuxa

Compartilhe: Twitter

Pelé comemora hoje 68 anos. Seu primeiro apelido futebolístico – no time do Bauru Atlético Clube (ou “Baquinho”) – foi “Gasolina”. Foi ele mesmo quem criou, involuntariamente, o apelido de Pelé. Ainda criança, acompanhava o pai nos jogos do Vasco da Gama, da cidade mineira de São Lourenço, e acabou fã do goleiro Bilé. Nas peladas de rua, proclama: “Eu sou o Pilé”, trocando uma das letras do nome de seu ídolo. E Pelé ficou.
Uma das curiosidades que encontrei para festejar o aniversário do Rei foi este comercial estrelado por ele e por sua então namorada, a apresentadora Xuxa, para a campanha de Natal da Francisco Xavier Imóveis. Pelé e Xuxa namoraram por seis anos. A qualidade do vídeo é ruim, mas vale a pena conferir antes que a Xuxa mande o You Tube tirar do ar:

Para ler mais curiosidades sobre o aniversariante Pelé, clique:
http://guiadoscuriosos.ig.com.br/index.php?cat=4227

Autor: - Categoria(s): Datas Comemorativas, Esporte, Televisão Tags: , ,
Voltar ao topo