Publicidade

Publicidade

18/08/2009 - 13:37

Os 40 anos do Topo Gigio no Brasil

Compartilhe: Twitter

Comprei um CD de músicas infantis na semana passada para o Antônio, meu caçula. Ele ouviu, ouviu e elegeu sua preferida: “Meu Limão, Meu Limoeiro”, na versão cantada pelo ratinho Topo Gigio. Como num passe de mágica, o Antônio me ajudou a resgatar mais um pedacinho de minha infância. Este ano, o personagem infantil Topo Gigio está completando 40 anos de televisão no Brasil. O ratinho arrebatou a audiência do público infantil brasileiro entre 1969 e 1971. O personagem Topo Gigio nasceu na Itália, em 1958, criado por Maria Perego. Ele media 30 cm de altura e mais 8 cm de orelha. Na Itália, sua voz era feita pela atriz Gina Lollobrigida.

No Brasil, o boneco foi dublado inicialmente por Pepino Mazzuullo, um italiano que não falava português. Por causa disso, as participações de Topo Gigio precisavam ser gravadas com antecedência, uma vez que Pepino “decorava” as frases em português do personagem.

Responsável pela estreia de Topo Gigio no Brasil, o programa “Mister Show” era apresentado por Agildo Ribeiro e ia ao ar pela Rede Globo às quintas-feiras, no período da noite. No programa, Topo Gigio contracenava com a “namoradinha do Brasil” Regina Duarte. “Ele é uma figura maravilhosa”, derretia-se Regina.

O ratinho politicamente correto sempre dizia frases meigas com seu sotaque italiano, ensinava boas lições às crianças e gostava de cantar sucessos da época como a já citada “Meu Limão, Meu Limoeiro”  e “Calhambeque”:

Só que alguns comediantes começaram a pegar no pé do ratinho – Chico Anysio, por exemplo,  fazia imitações irônicas, insinuando que o ratinho era “afeminado”. A polêmica brincadeira envolvendo o personagem acabou motivando a criação de uma namorada para ele, batizada de Rose.

O programa do Topo Gigio deixou de ser exibido em 1971. Ele ainda ensaiou uma volta para a televisão ao longo da década de 1980, na rede Bandeirantes. O personagem contracenou com o ator Ricardo Petraglia, chamado de “Dick” pelo ratinho.  Neste episódio de 1987, Topo Gigio inclui em suas orações os presidentes dos Estados Unidos e da antiga União Soviética  e deseja boa noite para a atriz Fernanda Montenegro.

Autor: - Categoria(s): Televisão Tags: , , , , , , , , , , ,
11/07/2009 - 18:25

Mulher-Maravilha ataca de cantora!

Compartilhe: Twitter

Tinha 12 anos quando o seriado “Mulher-Maravilha” entrou no ar. Eu era um dos garotos que ficou maravilhado com o shortinho curto (na época, pelo menos, era!) e com o generoso decote (idem!) do figurino da atriz Lynda Carter, eleita Miss Mundo em 1972. Veja abaixo as aberturas da primeira e da segunda temporadas:


 
Hoje de manhã, no “Você é Curioso?”, o Antônio Carlos Cabrera contou o que Lynda Carter anda fazendo. Ela tem se dedicado intensamente à carreira de cantora e lançou há um mês um novo CD. “At Last” traz nove canções no estilo jazz romântico e Lynda surpreende. Na verdade, surpreende quem não sabe que Lynda Carter sempre gostou de cantar. Em 1956, aos 5 anos, ela conta que fez a primeira apresentação, cantando num show em Phoenix, Arizona, sua terra natal. 

Lynda também foi vocalista de bandas como Just Us e The Relatives. Seu primeiro álbum foi gravado em 1978. Chamava-se “Portrait”. Três das músicas foram compostas por ela. Mais uma curiosidade: Lynda cantou duas canções do álbum num dos episódios da terceira temporada de Mulher-Maravilha.

Lynda Carter tem um canal no YouTube com várias canções. É um jeito de revê-la (ela continua com uma forma invejável!) e também de ouví-la. Aqui vai um aperitivo:

<Quer saber mais sobre a Mulher-Maravilha e outras maravilhosas mulheres dos seriados de TV? Clique aqui.

Autor: - Categoria(s): Celebridades, Música, Televisão, Você é curioso Tags: , , , , , , , , , ,
28/06/2009 - 18:54

Quem é o pai do "Moonwalk"?

Compartilhe: Twitter

O passo “moonwalk” virou uma marca registrada de Michael Jackson. Mas teria sido ele o criador da novidade?

Antônio Carlos Cabrera, criador do site Mofolândia, me contou que uma das referências em vídeo mais antiga que ele conhece do “moonwalk” é do ator e dançarino Bill Bailey, de 1955 (no vídeo abaixo, ele mostra o passo nos últimos segundos) final do vídeo.

Existem citações também a respeito do cantor Cab Calloway, que teria feito o passo nos anos 30. Parece que o passo é um clássico dos dançarinos de jazz que atuavam nos cabarés do começo do século 20. Quem levou o “moonwalk” até Michael Jackson foi Jeffrey Daniels, que era seu coreógrafo na época da turnê do disco Thriller. Daniels já fazia o passo na TV americana nos anos 70, quando integrava a banda Shalamar. Veja um vídeo dele num programa inglês dançando o “moonwalk” em 1982, um ano antes de Michael apresentar o passo pela primeira vez.

Tem mais: no filme “The Blues Brothers – Os Irmãos Cara-de-Pau”, de 1980, há uma participação de Ray Charles. Observe a coreografia do pessoal que dança na rua. É uma parte da coreografia de “Thriller”, de 1983. Coincidência? Não. O diretor do filme e do clipe Thriller é o mesmo: John Landis.

Autor: - Categoria(s): Baú, Celebridades, Música Tags: , , , , , , , , , , , , ,
19/06/2009 - 17:32

O clone peruano da Xuxa

Compartilhe: Twitter

Em 1991, o programa “Xou da Xuxa”, apresentado pela rainha dos baixinhos, passou a ser transmitido para outros 17 países da América Latina com o nome de “El Show de Xuxa”. Mas não é que a apresentadora loira foi clonada por um canal de TV latino!

Já mostrei aqui no blog uma versão de “Ilariê” em chinês. Mas a cópia aqui em questão é totalmente deslavada. Foi feita pela rede de TV peruana Panamericana.  Tirando o nome – a “rainha dos baixinhos” do Peru se chamava  July Mayocchi – é tudo muito parecido com a original brasileira. Até as paquitas foram clonadas.

O “Xou da Xuxa” foi ao ar no Brasil entre 1986 e 1992. Alguém aí ainda tem saudades?

Autor: - Categoria(s): Baú, Televisão Tags: , , , , ,
24/04/2009 - 19:24

Olha a cabeleira do Jaspion…

Compartilhe: Twitter

Depois de fracassar no Japão, o seriado “Jaspion” foi exibido no Brasil pela TV Manchete e fez um retumbante sucesso. Tanto que acaba de sair uma caixa de DVD com os primeiros 23 dos 46 episódios produzidos. A segunda parte está programada para sair em agosto. 

“O Incrível Jaspion” contava as aventuras do herói intergaláctico interpretado por Seiki Kurosaki. O ator abandonou os holofotes logo depois do cancelamento da série. Ele chegou a vender motocicletas e bolinhos recheados com polvo antes de se tornar instrutor e guia de mergulho submarino na ilha de Okinawa.

O corte de cabelo com permanente do Jaspion foi sugestão do próprio Kurosaki, que queria uma imagem próxima de um “Tarzã Galáctico”. A ideia foi vetada por produtores depois de alguns episódios – e o Jaspion passou a ter cabelo liso.

Para quem gosta de seriados e desenhos antigos, recomendo ver também a reportagem do TV Curioso desta semana com o pesquisador Antônio Carlos Cabrera, autor do livro “Mofolândia – Volume 1”.

Autor: - Categoria(s): Baú, Televisão Tags: , , , ,
05/04/2009 - 19:02

Conheça a dupla Conde e Drácula

Compartilhe: Twitter

Eu tenho inveja da criatividade desses cantores que criam duplas. Eles conseguem inventar nomes realmente geniais. Rio Negro e Solimões. Pena Branca e Xavantinho. Milionário e José Rico. Gino e Geno. Caju e Castanha. Patrão e Funcionário. Faísca e Espoleta. Só que um dos melhores de todos os tempos acaba de ser descoberto pelo meu amigo Antônio Carlos Cabrera, criador do site Mofolândia e autor de um almanaque incrível. Ele descobriu um LP lançado em 1976 pela dupla… Conde e Drácula. Dê uma conferida no estilo dos caras:

Você consegue se lembrar de mais alguma dupla criativa assim?

Se quiser conhecer grupos com nomes estranhos, clique aqui no site do Guia dos Curiosos.

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Música Tags: , , ,
22/05/2008 - 23:28

É um pássaro? É um avião? Não! É apenas um javanês!

Compartilhe: Twitter

Meu amigo Antonio Carlos Cabrera, criador do site www.mofolandia.com.br, me manda uma foto muito engraçada. É a carteira de identidade de um javanês chamado “Batman bin Suparman”. O pai dele devia ser mesmo muito fanático pelos quadrinhos da DC Comics. Agora fanático mesmo é um amazonense que resolveu homenagear metade do time campeão do mundo de 1970. Batizou o filho de Tospericargerja. Os jogadores homenageados foram Tostão, Pelé, Rivellino, Carlos Alberto, Gerson e Jairzinho. Parece piada, mas é verdade. Fui até Manaus e entrevistei “Peri” (como ele prefere ser chamado) para o Loucos por Futebol, da ESPN-Brasil. De quebra, também em Manaus, entrevistei um sujeito da mesma idade que se chama Jules Rimet – o francês ex-presidente da Fifa, que batizou o troféu que o Brasil conquistou em 1970.

Quer conhecer outros nomes esquisitos de filhos de personalidades internacionais? Clique aqui:

http://guiadoscuriosos.ig.com.br/index.php?cat=611

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Sem categoria Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo