Publicidade

Publicidade

09/02/2010 - 16:48

Todas as pessoas na nota de 10 reais

Compartilhe: Twitter

Nos comentários do post que fiz sobre as novas notas do Real, semana passada, o leitor Paulo Rodolfo perguntou os nomes de todas as pessoas que aparecem no verso da nota de 10 reais de plástico. Se você nunca reparou, clique na foto abaixo e perceba que, na parte de trás, aparecem 11 pessoas.

10reais

Segundo a Casa da Moeda, as fotos foram colocadas na nota para representar o povo brasileiro. Lançada em comemoração aos 500 anos da chegada dos portugueses ao País, em 2000, essa cédula comemorativa começou a ser retirada de circulação em outubro de 2006 — e, hoje em dia, é muito difícil vê-la por aí.

afsRose Machado, moradora da cidade de Seropédica, no Rio de Janeiro, foi escolhida para representar a figura da “cabocla”. Então com 16 anos, Rose era a segunda opção para aparecer na cédula. Uma garota que morava à beira do rio Amazonas era a principal concorrente — mas ,com a dificuldade de ir até lá para conseguir a autorização de uso da imagem, a equipe prefiriu ficar com a foto de Rose.

boliRepresentando o “homem do campo”, Cícero Lourenço da Silva foi o único fotografado a receber um cachê (800 reais). Natural de Bezerra (PE), na época da foto trabalhava como jardineiro em um condomínio de Atibaia, interior paulista. Ele emigrou para São Paulo em 1985, fugindo da seca nordestina.

ngrO funcionário aposentado da Casa da Moeda Luiz Clóvis de Moura aparece na nota de 10 reais representando o “homem negro”.

manOutro funcionário da Casa da Moeda foi escolhido para representar o “homem branco”: Amilton Monteiro Júnior. A escolha de vários trabalhadores da própria Casa da Moeda facilitou a questão dos direitos de imagem.

sobMaria Crivella Ramos não era funcionária da Casa da Moeda, mas sobrinha de um. Na nota de 10 reais, ela representa a “mulher branca”.

criA imagem de um casal de crianças negras que aparece na cédula foi retirada de um livro sobre o Quilombo dos Palmares. Não se sabe o nome delas.

indiOs dois índios que aparecem na nota de 10 reais fazem parte da Tribo dos Carajás. Esta imagem foi cedida pelo Museu do Índio, da Funai, que fica no Rio de Janeiro. A equipe do museu mantém um acervo audiovisual composto principalmente por documentos e fotos dos indígenas brasileiros.

bePor último, o mestre-de-obras Ariosto Ribeiro Conceição, ao lado de sua vizinha, a menina Natália Guimarães dos Santos, compõem a imagem que representa a “família” na cédula. Na época, os dois moravam na cidade de Itaguaí (RJ), mas só se conheceram na hora da foto.

Autor: - Categoria(s): Cotidiano Tags: , , ,
04/02/2010 - 13:51

O dinheiro brasileiro que sumiu

Compartilhe: Twitter

novorealOntem o Banco Central divulgou a imagem das novas cédulas de Real. As primeiras a circular serão as de 50 e 100 reais, já a partir de julho deste ano. A substituição completa das notas só se dará em 2014. Logo que as fotos começaram a circular pela internet, um monte de gente no Twitter ficou se perguntando: “Cadê a nota de 1 real?”.

esqueroddireitoAs notas de 1 real deixaram de circular em 2005. Na época, o Banco Central aumentou a circulação das moedas de 1 real, para que suprissem a falta das cédulas. Eram 174,2 milhões de reais em notas contra 1 bilhão de reais em moedinhas. Havia, porém, um grande revés: o preço de produção das moedas. Feitas de alpaca e aço revestido de bronze, cada uma custava 24 centavos para ser produzida. As notas de 1 real, por sua vez, saíam por metade desse valor. Apesar disso, o BC argumentou que as moedinhas duravam cerca de 30 anos, enquanto as notas de papel aguentavam aenas 11 anos no mercado. A instituição também argumentou que as moedas são mais higiênicas que as notas, principalmente as de 1 real, que trocavam muito de dono.

Quer ver outro dinheiro que sumiu? A moedinha de 1 centavo. Cada uma custava 9 centavos de real para ser produzida pela Casa da Moeda. E, no final das contas, o brasileiro não dava muita importância para as pequeninas, que acabavam renegadas no fundo de alguma gaveta. Em 2004, o Banco Central decidiu parar de produzi-la, embora ela continue circulando.

Mais um caso de sumiço monetário? Em 2000, a Casa da Moeda começou a importar 250 milhões de notas de plástico de 10 reais, diretamente da Austrália. Com a efígie de Pedro Álvares Cabral, a cédula foi lançada oficialmente em 22 de abril de 2000, data que marcou os 500 anos da chegada dos portugueses ao Brasil. Ainda em 2000, no mês de novembro, o design da nota teve pequenas modificações. Seis anos após o lançamento das cédulas, em outubro de 2006, o Banco Central começou a tirar de circulação as notas de plástico. A justificativa é que elas não caíram no gosto popular (será?) e que os bancos (quem, de fato, manda no país) tinham dificuldade em adequar seus equipamento à contagem de notas de plástico.

975

Autor: - Categoria(s): Brasil, Cotidiano, Invenções Tags: , , ,
Voltar ao topo