Publicidade

Publicidade

08/12/2009 - 13:19

Como se tornar o pior aluno da escola

Compartilhe: Twitter

O humorista Danilo Gentili tem uma ficha escolar bastante suja: 78 assinaturas no livro, 12 suspensões e uma expulsão. Apesar da fama de “pior aluno da escola”, Gentili dedica o livro que lança hoje a “todos os professores e mestres que, ao longo da minha vida, acreditaram em mim… mas, mesmo se esses caras existissem, acho que não aprovariam tal livro”.

IMG_0218

Comediante stand-up e membro da trupe do CQC, Danilo Gentili lança hoje (08/12) seu primeiro livro, “Como se tornar o pior aluno da escola”, pela editora Panda Books. O livro é um manual anárquico e bem-humorado para quem bombar de ano. Há ainda um livro secreto de “planos infalíveis” para aplicar trotes nos colegas de classe.

Como-se-tornar_300_CMYK

O lançamento acontece hoje, às 18h30, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073). O autor fará uma palestra antes da sessão de autógrafos – o ingresso será uma lata de leite em pó. Fique esperto! As senhas para a apresentação começarão a ser distribuídas às 14h.

Ah, quem tem twitter ainda pode participar de uma super-promoção! Dê RT na mensagem promocional da @pandabooks e concorra a dois exemplares do livro.

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Humor, livros Tags: , , ,
06/03/2009 - 12:03

As boas e (as más) palhaçadas do "Improvável"

Compartilhe: Twitter

Fui ver ontem à noite o espetáculo “Improvável”, no Tuca, em São Paulo. Os 650 lugares estavam tomados por um público bastante jovem.  Eu e a a atriz Susana Vieira (que estava numa das cadeiras para convidados) ajudamos a elevar a média de idade. Se bem que ela estava com o novo namorado, então ficou elas por elas.  Tive que comprar os meus ingressos com duas semanas de antecedência (só que os melhores lugares ficam reservados para quem compra pela internet, vá entender!). Trata-se de um show de humor e improvisação, comandado pelo trio Cia. Barbixas do Humor. A cada apresentação, os três convidam um ator (a galera do CQC bate sempre o ponto por lá) e mais um mestre de cerimônias.

Os espetáculos de humor estão em alta no país. Mas não é só isso que alavancou o sucesso dos Barbixas. Vídeos com trechos do “Improvável” da semana são publicados no You Tube todas as quintas e é isso que tem atraído cada vez mais público. São aproximadamente 150 mil acessos diários (meus dois filhos mais velhos têm uma participação bem significativa nesses números) O esquema é profissional. Quatro câmeras captam o show inteiro.

O show de 90 minutos é dividido em vários jogos de improvisação. O público pode participar com sugestões de frases e cenas que serão encenadas em cima do palco. Quanto mais nonsense, melhor! Uma das minhas foi sorteada: “Coisas que só o moço do xerox sabe”. Como todo espetáculo de improvisação, “Improvável” tem momentos divertidíssimos e outros sem graça. Tem momentos de humor inteligente e outros mais apelativos.  Mas vale cada centavo gasto (o preço de 30 reais para compras antecipadas, aliás, é bastante justo). Ontem, o “cachorrinho comprado na 25 de Março”, interpretado por Anderson Bizzocchi, um dos Barbixas, era de matar de rir.

Mas o melhor da noite de ontem acabou sendo a participação do mestre de cerimônias Márcio Ballas, um dos criadores de outro espetáculo de improvisação, o “Jogando no Quintal”, que eu gosto mais. Para “conhecer o público”, ele fez logo no início algumas perguntas, como “alguém aqui gosta de Bis de laranja?” ou “quem já foi bem atendido no Fran’s Café levanta a mão!”. Vejo agora no JT que Márcio vai dar um workshop de clown/palhaço para iniciantes, no próximo dia 22, das 9h30 às 9h30 às 18h, tel. (11) 3477-1600 (o vídeo abaixo mostra uma participação de Márcio num espetáculo anterior).

Ah, o espetáculo estava marcado para começar às 21h31 (isso mesmo!). O calor que fazia ontem em São Paulo transformou o hall de entrada num forno. Eram 600 pessoas esprimidas, num desconforto insuportável.  O público começou a bater nas portas da sala para entrar. Uma produtora saiu de lá para dizer que os “atores é que liberam a sala”.  Sob pressão do público, irritado, as portas foram abertas às 21h32 (ih, estragou a piada, né?). O espetáculo começou com aqueles exatos 15 minutos de atraso, que parecem ter sido institucionalizados no país (que saudade de Antônio Fagundes!).  Prefiro as palhaçadas feitas em cima do palco.

Autor: - Categoria(s): Humor, São Paulo Tags: , , , ,
Voltar ao topo