Publicidade

Publicidade

30/10/2009 - 16:36

O único "fino que satisfaz" e outros slogans antigos

Compartilhe: Twitter

Você lembra quem era o “fino que satisfaz”? No “Você é Curioso?” de sábado passado (24/10), o escritor Ignácio de Loyola Brandão me fez esta pergunta, que está em  seu livro “Você é Jovem, Velho ou Dinossauro?”.

chanceller

O rosto (e as mãos) que promoviam o cigarro Chanceler eram de Pedrinho Aguinaga. Símbolo sexual na década de 1970, Pedrinho estrelou também o filme “Rio Babilônia” (1982), dirigido por Neville de Almeida. “Extremamente fino, extremamente gostoso” anunciavam os cigarros Chanceler.

Durante a entrevista, foi  a maior curtição  lembrar de outros slogans inesquecíveis:

Quando chegava perto do Natal, as crianças começavam logo a campanha “Pai, não esquece da minha Caloi!”. Afinal, a bicicleta Caloi era “um presente que ninguém queria esquecer”

adoniran

“Nós viemos aqui para beber ou para conversar?” era a frase que fechava o comercial da cerveja Antártica, estrelado pelo sambista paulistano Adoniran Barbosa. O bordão do músico, que andava meio no ostracismo, fez muito sucesso no início dos anos 70 e até hoje é lembrado por apreciadores de cerveja.

baixinho-kaiser-2-1987

A marca Kaiser se tornou “uma grande cerveja” em 1987, sempre acompanhada pelo ator espanhol José Valien, eternizado como “o baixinho da Kaiser”. José desembarcou no Brasil em 1954, aos 6 anos. Antes de trabalhar com publicidade, foi frentista, decorador de porcelana e motorista. Graças ao volante de uma kombi azul, começou a participar de comerciais: “Eu tinha uma Kombi, daquelas abertas atrás, que era conhecida como cabrita, na cor azul. Então um produtor de cinema me contratou para fazer figuração como motorista, em um comercial da Walita, só por causa da minha Kombi.” E a famosa boina do “baixinho”? Também foi acidental. Ela foi a solução encontrada para driblar a luz, que refletia muito na cabeça de José durante as filmagens.

bombril

O que tem mil e uma utilidades? É o Bombril, que acabou se transformando em sinônimo obrigatório para “palha de aço”.

A estratégia do xampu anti-caspa Denorex era simples: resolvia o problema igual remédio, mas não era. Aí nasceu o slogan: “Denorex – parece mas não é.”

Você quer participar da brincadeira? Então, escreva outros que se lembrar!

Autor: - Categoria(s): Baú, Cotidiano Tags: , , , , , , , , , , , , ,
15/08/2009 - 15:01

Quando Hollywood acende um cigarrinho

Compartilhe: Twitter

No pôster original de “Coco Antes de Chanel”, a cinebiografia de uma das estilistas mais famosas de todos os tempos, a atriz Audrey Tatou aparece na cama, segurando um cigarro.

No Brasil, o cartaz terá em versão antitabagista, com o cigarro de Coco substituído digitalmente por uma inocente caneta. Nascida em 1883, Coco Chanel era realmente uma fumante inveterada – e, no filme, não faltam cenas e baforadas de Audrey Tatou.

O cigarro e a indústria cinematográfica andam juntas faz tempo. Estrelas de Hollywood como Cary Grant, Gary Cooper, John Wayne, Clark Gable e Bette Davis (foto abaixo) recebiam dinheiro dos fabricantes de cigarro para promover o produto. Apesar de contribuirem para a associação do tabaco com o glamour hollywoodiano,  John Wayne e Gary Cooper morreram de câncer em 1979 e 1961, respectivamente.

Ao longo do clássico “Casablanca”, Humphrey Bogart raramente é visto sem um cigarro. No filme de 1942, quase todos os homens aparecem fumando. Humphrey Bogart morreu em janeiro de 1957, também vítima de câncer.

O rebelde sem causa James Dean não largava o cigarro – a atitude, combinada com o topete, as jaquetas de couro e a camiseta branca, lhe valeu o posto de símbolo da rebeldia juvenil.

Em várias cenas em “A Primeira Noite de um Homem” (1967), Mrs. Robinson (Anne Bancroft) aparece fumando. No filme, ela é uma mulher madura que tem um caso com inexperiente rapazote interpretado por Dustin Hoffman.

Recentemente, o filme “Boa noite e Boa Sorte” (2005), indicado ao Oscar, recebeu críticas pelo número de cenas em que o âncora Ed Murrow (David Strathairn) aparecia fumando ou segurando um cigarro.

Em “Closer – Perto Demais” (2004), as personagens de Natalie Portman, Clive Owen e Jude Law se revezam em cenas de amor e de cigarros.  Apesar de também fazer parte do elenco, a atriz Julia Roberts não fuma em “Closer”, mas aparece fumando em “O Casamento do Meu Melhor Amigo” (1997).

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, existem atualmente 1,1 bilhão de fumantes em todo o mundo. Estudos indicam que adolescentes expostos a cenas envolvendo cigarros nas telonas tem mais chances de se tornarem fumantes no futuro.

Autor: - Categoria(s): Celebridades, Cinema, Listas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo