Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria São Paulo

26/10/2009 - 17:16

O dia em que devorei 14 pastéis de feira

Compartilhe: Twitter

Tomar ou não tomar café da manhã? Se fosse um dia normal, não teria saído de casa em jejum. Mas eu estava me preparando para ser um dos jurados do primeiro Campeonato de Pastel de Feira, hoje cedo, na Praça Charles Miller, em São Paulo. Eram 10 finalistas de 731 inscritos, escolhidos pelo voto popular entre os dias 15 de setembro e 4 de outubro. Cada região da cidade entrou com dois representantes (só a Zona Leste, pelo seu tamanho, escolheu  quatro competidores). Achei melhor ir bem preparado para a competição, ou seja, com muito espaço livre no estômago.

feira-pastel]

O pastel de feira é a comidinha de rua número 1 dos paulistanos. São 2 milhões vendidos por semana. Daí a responsabilidade. Os 10 pasteleiros começaram a montar suas barracas às 8 da manhã. A barraca número 1 – Pastelaria Monte Castelo – levou até cartazes com fotos do açougueiro que fornece a carne para eles. Teve boca de urna, distribuição de brindes e torcida vinda de bairros distantes.

O público presente à final foi convidado novamente a dar notas. Cada pastel custava apenas 1 real. As barracas tinham cupons e duas urnas. Depois de comer, os clientes faziam uma avaliação da barraca que escolhessem. Os jurados tiveram duas horas para fazer o mesmo – só que deveriam percorrer as 10 barracas. Comecei a degustação às 10 horas e só fui terminar às 11h30.

pastel-feira

Como seria impossível comer os 10 pastéis inteiros, os jurados adotaram um sistema muito parecido. Eu fiz assim: a primeira mordida devia deixar o ar quente sair. A segunda servia para analisar o sabor e a textura da massa. Já a terceira mordida deveria acertar em cheio o recheio. Nós, jurados, tínhamos que observar oito itens, incluindo a higiene da barraca, o uniforme dos funcionários, o asseio na manipulação da comida e do dinheiro, a qualidade do óleo. Tivemos que degustar o pastel de carne em todas as barracas para que a avaliação fosse uniforme. Isso me fez lembrar dos tempos em que nossos pais não recomendavam comer pastel de carne fora de casa. Tinham medo da procedência da carne.

Terminados os 10 pastéis, resolvi fazer uma espécie de segundo turno e mata-mata. Voltei a experimentar os quatro que tinha achado melhor. Era o momento do desempate. É verdade que  já estava sentindo o estômago meio pesado.

Os votos do júri técnico e as avaliações populares foram somadas. O título de melhor pastel de feira de São Paulo foi conquistado pela barraca número 6: Pastel da Maria. Kuniko Yonaha, a Maria, de 57 anos, recebeu um cheque de 8 mil reais. Prometeu dividir 3 mil entre as funcionárias (todas estavam uniformizadas, sorridentes) e vai usar os outros 5 mil na reforma da barraca.  O Pastel da Maria era, com certeza, o mais recheado de todos. Ela faz questão de não revelar também os condimentos que usa na carne. “É feito com muito amor. Também precisa ter sexo para trabalhar bem humorada no dia seguinte”, declarou em entrevista à TV Bandeirantes.  Maria contou com uma leve vantagem por “jogar em casa”. É que, toda quinta-feira, ela bate ponto na feira livre da própria Praça Charles Miller. O segundo colocado, Yamashiro Pai, faturou 2 mil reais e o terceiro lugar, a Pastéis Gabi, ficou com 1 mil reais.

feira-vermelho

feira-cheque

Na saída, brindei à vitória de Maria com um bom caldo de cana, vendido ali a 1 real também. Pastel e garapa foi o cardápio de uma manhã muito divertida. A única coisa ruim é que perdi o apetite para o almoço…

Confira a relação de todos os pasteleiros que disputaram a final e seus endereços.

Autor: - Categoria(s): Comes e bebes, São Paulo Tags: , , ,
17/08/2009 - 16:25

Onde os bebedores de Tubaína se encontram

Compartilhe: Twitter

Saudade de tomar tubaína? O refrigerante – docinho, com pouco gás e de fabricação regional – é o personagem principal do blog Confraria das Tubaínas, mantido pelo jornalista Guilherme Busch. Desde 2008, a Confraria dedica-se a descobrir, relembrar e degustar tubaínas do país todo. A última que eu experimentei foi essa aqui: Tubaína Funada, fabricada em Presidente Prudente (SP).

O termo nasceu na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo, na década de 1930. A cidade era sede de uma empresa chamada Ferráspari,  produtora de um refresco gaseificado batizado de “Turbaína”. Com o tempo, a palavra “tubaína” passou a ser utilizada para denominar dezenas de marcas de refrigerantes populares.

Se você também ficou lembrando do gostinho da sua tubaína preferida e quer matar a saudade – e a sede – é só aparecer no “Bar Tubaína”, novo endereço aberto na rua Haddock Lobo, nos Jardins, em São Paulo. O estabelecimento é especializado justamente no refrigerante genérico.

Criado pela jornalista peruana Verónica Goyzueta, o bar possui no cardápio 13 marcas de tubaína, além de drinques especiais, criados a partir do refrigerante. Um deles é o “Mojaína”, com rum, hortelã, suco e tubaína de limão. O clima de interior é reforçado pela pamonha frita, pelos sanduíches de mortadela e pela porção cortesia de Mandiopã.

O Bar Tubaína oferece principalmente bebidas fabricadas no interior de São Paulo. No entanto, praticamente todo Estado brasileiro possui sua própria “tubaína”. Eu andei ganhando algumas recentemente.

O Guaraná Coroa é produzido no Espírito Santo. A empresa existe desde 1933 – o guaraná desde 1951 – e exporta seus produtos para o Estados Unidos, o Canadá e a Suécia. A Coroa também é dona da marca Iate, que produz o refrigerante de cola “Leme”:

Minas Gerais parece ter uma predileção pelo refrigerante de abacaxi. O da marca Jotaefe é produzido na cidade de Ouro Fino.  Foi um presente do jornalista José Eduardo de Camargo, junto com outro da marca Treim. Já o refrigerante de uva “Uaí” não é mineiro. Ele é produzido também no Espírito Santo.

O prêmio de criatividade na hora de batizar a tubaína ficou com o refrescante “Vedete”. Ao lado está o Refridanny sabor tutti-frutti (o rótulo diz que a bebida é uma mistura de maçã, limão e guaraná). As duas garrafas foram compradas no interior de São Paulo. Saindo do eixo sul-sudeste, ganhei também um Guaraná Magistral, diretamente do Amazonas:

Qual é a melhor recordação que você tem de uma boa garrafa de Tubaína?

Autor: - Categoria(s): Comes e bebes, Cotidiano, São Paulo Tags: , , , , , , , , , ,
02/07/2009 - 11:45

Festa de 8 anos do "Você é Curioso?"

Compartilhe: Twitter

O programa “Você é Curioso?” , que eu apresento na Rádio Bandeirantes com a Silvania Alves, está completando 8 anos. Nós poderíamos comemorar como esse carinha abaixo…

…mas preferimos fazer uma festa de aniversário mais tradicional no próximo sábado (04/07). Como a ocasião é especial, o programa será feito  ao vivo, diretamente do auditório do Itaú Cultural, na Avenida Paulista, 149 (estação Brigadeiro do metrô) em São Paulo. O melhor? Todos os ouvintes estão convidados! Só chegue um pouco mais cedo, pois o evento costuma lotar. A entrada é grátis! Teremos a apresentação da banda The Soundtrackers e também do grupo vocal Juke. O ouvinte terá ainda a oportunidade de conhecer todos os colaboradores do programa.

A grande novidade é que o programa terá cobertura online, aqui pelo blog e pelo nosso Twitter. Assim, quem não conseguir acordar cedo no sábado poderá conferir imagens de tudo o que estiver acontecendo no palco e nos bastidores da comemoração. Acompanhe a festa pelo rádio (AM 840 ou FM 90,9) e também pela internet (www.radiobandeirantes.com.br).

 

Autor: - Categoria(s): São Paulo, Você é curioso Tags: , , ,
12/06/2009 - 11:48

Magic: um campeonato com fantasias medievais

Compartilhe: Twitter

Magic é uma mistura de coleção de figurinhas, jogo de estratégia  e pitadas da fantasia medieval. “Magic: The Gathering” foi criado em 1993 pelo professor de matemática Richard Garfield. Movimenta um mercado enorme de fãs e jogadores que compram, colecionam e trocam as cartas – chamadas aqui de “cards de Magic”. Já gastei muito dinheiro com essa coleção quando meu filho mais velho, Rodrigo, resolveu colecioná-las há uns quatro, cinco anos.

Funciona assim: o jogador assume um personagem, uma espécie de mago batizado de “planinauta”, capaz de viajar para outros planos e utilizar poderes e magias para duelar com outro jogador. E isso é só o começo! Durante os duelos, você pode conquistar territórios, aprender novas magias e colecionar artefatos.

Outro ponto interessante de “Magic: The Gathering” são as ilustrações presentes nos cards, algumas delas desenhadas por artistas renomados. Atualmente, o jogo já possui versões traduzidas para nove idiomas diferentes – assim é possível encontrar cards de Magic em inglês, português, francês, italiano, alemão, espanhol, japonês, russo e até mesmo chinês!

Para quem quiser entender mais sobre o jogo, o jogador Cauê Paulo Hattori preparou um post de “introdução ao Magic” no blog da loja Magic Domain.

Existem diversos campeonatos de Magic no Brasil ao longo do ano. A partir de hoje e até o próximo domingo vai acontecer  uma série de torneios do jogo, o “Grand Prix São Paulo”, no clube Sírio, localizado na Avenida Indianópolis, 1192, em São Paulo. O evento principal começa no sábado e é esperado um público de até 1.500 jogadores. A programação completa você confere aqui.

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, São Paulo Tags: , ,
25/04/2009 - 18:05

Nem tudo o que parece é!

Compartilhe: Twitter

O caminhão branco entra na contramão e causa o maior acidente na Régis Bittencourt, a perigosa BR-116. Parece, mas não é. Se você reparar direito, a carroceria do caminhão branco está sendo puxada por um outro, vermelho, que vai na direção normal.

A segunda parte é de um trecho do cardápio do restaurante Academia da Gula, especializado em bacalhau e instalado no bairro do Paraíso, em São Paulo. Vá descendo os olhos e vendo os pratos oferecidos. Há ali um pedido que muita gente deve evitar – ou pedir com certa cautela.

As fotos são de Antônio Mier.

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, Humor, São Paulo Tags: , , ,
11/04/2009 - 18:09

Não dê esmola. Dê leitura!

Compartilhe: Twitter

O jornalista Rodrigo Ratier teve uma daquelas ideias geniais que você fica até com raiva de não ter sido sua. Ele encheu uma caixa com 45 livros e colocou no banco do carona de seu Palio preto. Ficou rodando diferentes bairros de São Paulo. A cada parada no semáforo, sempre que um pedinte ou um garoto-malabarista se aproximava, ele repetia:

– Dinheiro, eu não tenho, mas eu estou aqui com uma caixa cheia de livros. Quer um? 

As reações foram as mais diversas. Algumas bem emocionantes (leia a reportagem completa no site da revista Nova Escola).

Vou aproveitar a manhã do domingo de Páscoa para limpar as prateleiras de meus filhos. Vou tirar alguns livros para fazer o mesmo que o Rodrigo. Tão simples! Daqui para a frente, vou  andar sempre com livros e gibis para doação. Um pequeno gesto que pode ajudar muita gente! A ideia do Rodrigo me faz lembrar de uma das minhas frases preferidas do poeta Mário Quintana: “Os livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas”.

Autor: - Categoria(s): livros, São Paulo Tags: , ,
01/04/2009 - 12:41

Uma corrida com taxistas bem curiosos

Compartilhe: Twitter

Gosto muito de andar de táxi. Depois de falar um pouco sobre a previsão do tempo, eu começo a fazer perguntas sobre o trabalho deles. Um desses taxistas virou até personagem do guia “1075 Endereços Curiosos de São Paulo”. Quando voltava para casa, no começo da tarde, o taxista Francisco Cava Gomes, o “Paquito”, produzia castanholas e bengalas, tudo à mão. Colocava as peças no porta-malas do carro e oferecia aos passageiros.
Outro taxista que ficou famoso foi o Mauro Castro, que começou a contar suas aventuras num blog muito lega, o Taxi Tramas. Ele é de Porto Alegre e eu já o entrevistei no “Você é Curioso?” há uns dois anos. Seus divertidos textos se transformaram num livro.
Pois bem: o Jornal da Tarde publicou no domingo passado uma reportagem com taxistas bem curiosos:

No táxi de Jairo Rodrigues Barbosa o rap domina – o motorista é MC do grupo Periafricania. Para ele,  parte da inspiração para as músicas vem “das ruas, do trânsito, dessa loucura toda” enfrentada no dia-a-dia.

Edmilson Gomes da Silva é taxista e escritor. Em seu livro autobiográfico “Não Foi Por Falta de Ideia”, editado por conta própria, Edemilson garante que invenções como a mala de rodinhas e o Poupatempo saíram de sua cabeça.

Já Antônio Queiroz é tão apaixonado por música caipira que tem um programa de rádio online inteirinho dedicado ao estilo. Dono de mais de 40 mil títulos de música caipira, o taxista apresenta o programa “Raiz Caipira” de segunda a sexta, que você pode ouvir aqui.

Você conhece algum outro motorista de táxi curioso? Mande o nome e o contato pra gente! Se não conhece nenhum, não deixe de puxar papo na sua próxima corrida. Comece falando do tempo…

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, São Paulo Tags: , , , , ,
08/03/2009 - 17:10

Bem vestido pode?

Compartilhe: Twitter

Desde que li o Brasil das Placas, criei a mania de fotografar placas engraçadas que encontro na rua. Dei de cara ontem com uma bem curiosa no portão de um laticínio na Rua Rio Bonito, no bairro do Pari, em São Paulo. Veja:

 

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, Humor, São Paulo Tags:
06/03/2009 - 12:03

As boas e (as más) palhaçadas do "Improvável"

Compartilhe: Twitter

Fui ver ontem à noite o espetáculo “Improvável”, no Tuca, em São Paulo. Os 650 lugares estavam tomados por um público bastante jovem.  Eu e a a atriz Susana Vieira (que estava numa das cadeiras para convidados) ajudamos a elevar a média de idade. Se bem que ela estava com o novo namorado, então ficou elas por elas.  Tive que comprar os meus ingressos com duas semanas de antecedência (só que os melhores lugares ficam reservados para quem compra pela internet, vá entender!). Trata-se de um show de humor e improvisação, comandado pelo trio Cia. Barbixas do Humor. A cada apresentação, os três convidam um ator (a galera do CQC bate sempre o ponto por lá) e mais um mestre de cerimônias.

Os espetáculos de humor estão em alta no país. Mas não é só isso que alavancou o sucesso dos Barbixas. Vídeos com trechos do “Improvável” da semana são publicados no You Tube todas as quintas e é isso que tem atraído cada vez mais público. São aproximadamente 150 mil acessos diários (meus dois filhos mais velhos têm uma participação bem significativa nesses números) O esquema é profissional. Quatro câmeras captam o show inteiro.

O show de 90 minutos é dividido em vários jogos de improvisação. O público pode participar com sugestões de frases e cenas que serão encenadas em cima do palco. Quanto mais nonsense, melhor! Uma das minhas foi sorteada: “Coisas que só o moço do xerox sabe”. Como todo espetáculo de improvisação, “Improvável” tem momentos divertidíssimos e outros sem graça. Tem momentos de humor inteligente e outros mais apelativos.  Mas vale cada centavo gasto (o preço de 30 reais para compras antecipadas, aliás, é bastante justo). Ontem, o “cachorrinho comprado na 25 de Março”, interpretado por Anderson Bizzocchi, um dos Barbixas, era de matar de rir.

Mas o melhor da noite de ontem acabou sendo a participação do mestre de cerimônias Márcio Ballas, um dos criadores de outro espetáculo de improvisação, o “Jogando no Quintal”, que eu gosto mais. Para “conhecer o público”, ele fez logo no início algumas perguntas, como “alguém aqui gosta de Bis de laranja?” ou “quem já foi bem atendido no Fran’s Café levanta a mão!”. Vejo agora no JT que Márcio vai dar um workshop de clown/palhaço para iniciantes, no próximo dia 22, das 9h30 às 9h30 às 18h, tel. (11) 3477-1600 (o vídeo abaixo mostra uma participação de Márcio num espetáculo anterior).

Ah, o espetáculo estava marcado para começar às 21h31 (isso mesmo!). O calor que fazia ontem em São Paulo transformou o hall de entrada num forno. Eram 600 pessoas esprimidas, num desconforto insuportável.  O público começou a bater nas portas da sala para entrar. Uma produtora saiu de lá para dizer que os “atores é que liberam a sala”.  Sob pressão do público, irritado, as portas foram abertas às 21h32 (ih, estragou a piada, né?). O espetáculo começou com aqueles exatos 15 minutos de atraso, que parecem ter sido institucionalizados no país (que saudade de Antônio Fagundes!).  Prefiro as palhaçadas feitas em cima do palco.

Autor: - Categoria(s): Humor, São Paulo Tags: , , , ,
02/02/2009 - 22:56

Atenção: você está sendo filmado!

Compartilhe: Twitter

Flagrante de uma casa na Praia do Sonho, em Itanhaém, litoral sul de São Paulo. Será que fui filmado enquanto fazia a foto?

Autor: - Categoria(s): Bizarro, São Paulo Tags: , ,
Voltar ao topo