Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria São Paulo

31/03/2010 - 18:34

O que vale é passar no meio das pernas

Compartilhe: Twitter

Carlos Alberto Parreira, hoje técnico da Seleção da África do Sul, já disse que o gol é um mero detalhe do futebol.  Não é só ele que pensa assim. Os criadores do panna não têm a menor dúvida de que passar a bola pelos três paus não é tão emocionante quanto dar um “rolinho” no meio das pernas de um adversário. “Panna” é  justamente a expressão que, no Suriname,  país vizinho da América do Sul, equivale à nossa conhecida “jogar entre as canetas”.

O panna é um jogo de futebol diferente.  É um contra um ou dois contra dois. As partidas têm 3 minutos de duração, e são embaladas por ritmos como black music, R&B, sambarock e soul. Em vez de campo, acontece em quadras infláveis, que medem 4m X 6m. Ao final da partida, vence quem tiver feito mais gols. Com uma única exceção:  um panna (ou “caneta”) encerra o jogo e dá a vitória imediatamente ao autor da proeza, mesmo quem ele esteja perdendo naquele momento por 10 x 0.  Em outras palavras, é quase o mesmo que um “golden goal” ou uma “morte súbita” (o primeiro gol é o que dá a vitória a um time durante a prorrogação).

O jogo nasceu na Holanda, onde há atualmente 200 campeonatos regionais da modalidade e um torneio nacional anual. Itália, França, Suíça, Bélgica, Turquia, Espanha e Inglaterra também já conhecem o panna. No Brasil, a primeira exibição acontecerá no próximo dia 7, em São Paulo, com direito a presença do campeão holandês de 2009, Mo Boutaka. Ao cruzar com ele, não esqueça de deixar as suas pernas bem juntinhas. O cara é craque em desmoralizar os oponentes.

Autor: - Categoria(s): Esporte, São Paulo Tags: , ,
10/03/2010 - 15:31

Ciclistas pelados à frente!

Compartilhe: Twitter

São Paulo tem apenas mixurucas 34,5 quilômetros de ciclovias espalhadas pelos 1.522 quilômetros quadrados da cidade. Segundo a Prefeitura, outros 10 quilômetros (só?) estão sendo construídos. É pelo aumento do espaço para ciclistas que o Instituto CicloBr briga. Assim surgiu a ideia de fazer um calendário com diversos ciclistas famosos ao lado de suas magrelas — sem roupa.

Dentre as modelos da empreitada, a que mais chamou a atenção da imprensa foi Soninha Francine, Subprefeita da Lapa (São Paulo) e pré-candidata ao governo do Estado nas próximas  eleições. Nas entrevistas, Soninha falou de quilos a mais e até de peitos caídos na tal fotografia. No final das contas, quem mostrou estar 100% em forma mesmo é  Renata Falzoni, 57 anos, apresentadora da ESPN Brasil, a exemplo de  Soninha.  Se alguém ainda duvidava que andar de bike faz bem para a saúde, as fotos de Renata são o argumento final. O lançamento do calendário acontece hoje, às 20h, no restaurante Santa Gula (veja o convite abaixo).

“Vários ex-namorados estão mandando mensagens bastante sugestivas”, garante Renata, aos risos. Mesmo tendo aprovado as duas fotos que foram para o calendário, a apresentadora explica que preferia uma foto que destacasse seus seios. “Pelo menos os contornos”, diz.” Meus peitos estão muito bem para minha idade”. Mas quando o assunto é a rede cicloviária da cidade, Renata fala sério. “Não existe integração”, conta a jornalista, para depois concluir: “Essa ciclovia no Rio Pinheiros foi um pequeno sinal de que as coisas vão começar a sair do papel”.

Em 14 de março de 2009, Renata já havia aparecido nua em público. Foi durante o segundo World Naked Bike Ride realizado em São Paulo, evento mundial que reúne ciclistas dispostos a pedalar nus para protestar contra os perigos enfrentados diariamente por eles e pelos pedestres. A terceira edição do passeio acontece no próximo sábado, dia 13.  A concentração vai acontecer ao meio-dia, na Praça do Ciclista (encontro da avenida Paulista com a rua da Consolação). A saída é às 14h. Quem não for tão radical pode passear de biquíni ou sunga.

Autor: - Categoria(s): São Paulo Tags: , , , , , ,
11/02/2010 - 18:59

A cidade de São Paulo em 1776

Compartilhe: Twitter

O Arquivo Público do Estado de São Paulo reúne não apenas documentos sobre a capital paulista, mas também jornais e revistas das mais variadas épocas. Graças a esses textos e dados, pesquisadores de diversas áreas descobrem mais sobre os hábitos e preferências dos brasileiros de épocas remotas.

Porém, como grande parte dos arquivos guardados por lá é mesmo da capital paulista, a instituição lançou o site Viver em São Paulo. Nele, estão reunidos dados e periódicos relacionadas à cidade, que, juntos, explicam como era a rotina dos paulistanos desde o  século XVIII.

Por exemplo: a partir da leitura da revista “A Cigarra”, com edições entre 1914 e 1948, o site do  Arquivo Público revela  o que pensavam os jornalistas da década de 1910 sobre os banhos de mar (clique na imagem para ler o texto completo). Hoje esse assunto é mais do que banal.

Os banhos de mar saturam-nos de iodo. Encourajam-nos contra a anemia. Afugentam de nós a tristeza, sacia da doença, enrijando-nos os nervos, tornado-nos activos e vigorosos. São elles que nos retemperam para as luctas do trabalho, luctas quotidianas que renascem, a cada momento, das difficuldades vencidas, com a tenacidade das cabeças das hydras da fabula.

cigarra1

1817Com os documentos sobre a população paulistana, é possível descobrir coisas surpreendentes. No ano de 1776, viviam apenas 2.026 pessoas em São Paulo. Segundo o site do IBGE, a estimativa atual da população da cidade gira em torno de 10.434.252 pessoas. Digamos que a população cresceu “um pouquinho”…

1776

O censo feito em 1817 é mais completo que os anteriores. No documento, é possível ver a ocupação da população. A maior parte (1.174 pessoas) era de escravos. Eram ainda 55 artistas, 56 negociantes e 205 milicianos.

Vale a pena conhecer o site, um grande e importante banco de dados da história paulistana.

Autor: - Categoria(s): São Paulo Tags: , ,
03/02/2010 - 12:36

Passeando na enchente sem perder a elegância

Compartilhe: Twitter

Nos últimos 42 dias, a cidade de São Paulo tem seguido a mesma rotina. Final de tarde, fecha o tempo e a  capital paulista sofre com os dilúvios. Menos de meia hora depois, São Paulo ganha ares de  cidade europeia: Veneza, na Itália, famosa por ter diversos canais navegáveis. (ah, como está chovendo agora, de novo, já são  43 dias seguidos de chuva.)

Para as mulheres que não querem perder a elegância  na enchente, o artista belga Paul Shietekat criou o Hide Tide. A ideia é bem simples, mas engenhosa: trata-se de um híbrido de pé-de-pato com salto-alto. Nada mal, hein? Agora as paulistanas podem ir sem medo ao cinema, ao teatro e até ao shopping mesmo com as chuvas torrenciais do final da tarde.

droppedImage

Infelizmente, o Hide Tide é apenas uma obra de arte, e não está à venda. A não ser que um empreendedor de visão entre em cena…

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Cotidiano, moda, São Paulo Tags: , , , , ,
01/02/2010 - 22:00

É um brinde, sim. Mas custa 2 reais!

Compartilhe: Twitter

Brinde é algo que a gente recebe de graça, como prêmio, como bonificação. Menos no Parque da Mônica, em São Paulo. Lá os brindes têm preço. Um churro custa 3 reais. Acompanhado de um “brinde”, que pode ser uma caderneta ou uma latinha, o churro passa a 5 reais. A mesma regra vale para a pipoca e para o algodão doce.

churros

O Parque da Mônica encerra suas atividades no Shopping Eldorado no próximo dia 16 de fevereiro, terça-feira de Carnaval. Não deixe de fazer uma visita de despedida. Nestes últimos dias, o parque está dando um bottom com a inscrição “Eu brinquei no Parque da Mônica”. Bem, nesse caso é um brinde mesmo!

Autor: - Categoria(s): Brinquedos, Humor, Propaganda, São Paulo Tags: ,
01/02/2010 - 21:43

O Itaú-Personnalité e o golpe da premiação do cartão

Compartilhe: Twitter

Estou lendo a edição de janeiro de “Época Negócios”. Na página 21, encontro uma reportagem que tem tudo a ver com o que aconteceu comigo hoje: “Quem ganha? Pesquisa revela que programas de fidelização dos cartões de crédito são ótimos – para as empresas”. A mais pura verdade! Fui vítima de uma grande mentira do cartão Unicard Visa Platinum. A principal vantagem, segundo a gerente do Unibanco (Rua Casa do Ator) que me convenceu a levar o cartão, é que eu poderia escolher a companhia aérea que eu quisesse. Não precisaria passar por toda aquela burocracia dos tradicionais planos de milhagem. Com 50 000 pontos, eu já teria uma passagem para a América do Norte. O livreto “Passaporte Premium”, que veio junto com o cartão, deixava isso bastante claro (clique na imagem para ler o que o que diz o texto sobre o benefício ).

platinumvisa

Pois bem: todos sabem que o Itaú comprou o Unibanco e eu me vi compulsoriamente obrigado a mudar de banco. Não sem antes receber a visita da gerente geral da minha conta, garantindo que nenhum dos meus benefícios seria alterado. E aí que começa a picaretagem. Depois de dois anos juntando milhas, consegui atingir os 100 mil pontos, que me dariam duas passagens para os Estados Unidos. Até que chegou a hora de pedir o resgate. Ao consultar um outro gerente, o Itaú-Personnalité mandou avisar que o novo cartão não tinha mais esse benefício. Eu deveria depositar os meus pontos num Plano de Milhagem e resgatar as passagens da forma convencional. Depois de muita briga (sempre pelo telefone, pois os gerentes tinham ordens expressas de não mandar nenhum email “comprometedor” para mim), o Itaú-Personnalité, ah, tão bonzinho!, disse que abriria uma “exceção” para mim. Depois de quase um mês, cobrando isso diariamente, um outro gerente me deu a “excelente notícia”: os meus 100 mil pontos valiam R$ 2.400,00 – ou seja, apenas uma passagem em baixa temporada.

Como assim? As minhas duas passagens tinham encolhido para uma? Pedi cópia do contrato para ver quais eram as regras do índice de conversão que eles tinham adotado. Nova enrolação… Por que tanta demora para as respostas? A gerente geral dizia que o “Unibanco acabou e que toda a documentação já estava no arquivo morto”. Acabou? Pois vejo dezenas de agências ainda abertas todos os dias. Hoje ela me ligou para dizer que o índice era esse mesmo, que o índice de conversão não está escrito em lugar nenhum (ele só era informado para quem ligasse para o banco) e que aquele livrinho que eu tinha “era só uma peça de marketing”. Em resumo, o que ela quis dizer: “É pegar ou largar!”.

É isso. Eles sempre ganham. Sempre. Hoje estamos nas mãos de seis bancos: Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil, Caixa Econômica e HSBC. Com lucros estratosféricos, quem é que se importa com um pequeno cliente? Que diferença eu faço para o banco? O meu desabafo é só mais um desabafo. Todos nós sabemos as incríveis barbaridades que os bancos fazem com clientes diariamente. O Roberto Setúbal vai ter uma ótima noite de sono e eu vou ter insônia de tanta raiva que passei com as bobagens que tive que ouvir.

Autor: - Categoria(s): Brasil, Cotidiano, São Paulo, Seu passado te condena Tags: , , , , , ,
30/01/2010 - 22:40

Quer nome mais estranho para uma churrascaria?

Compartilhe: Twitter

Donos de churrascarias costumam escolher nomes que lembrem carne, bois, brasa, espetos, coisas assim. Uma exceção deve ser esta churrascaria localizada no centro de São Paulo? Ou será que se trata de uma churrascaria vegetariana?

tomatesverdesfritos

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Comes e bebes, São Paulo Tags: , , ,
14/01/2010 - 19:14

Doe sangue, ganhe cerveja

Compartilhe: Twitter

Se você gosta de uma cervejinha, tem entre 18 e 65 anos, e pesa mais de 50 quilos, pode ir comprando passagem para a cidade de Tacoma, nos Estados Unidos. Brincadeira, claro! É que o hemocentro de lá está com uma promoção imperdível: “Doe sangue, ganhe cerveja”. Depois de espetar o braço, o doador recebe um cupom que dá direito a um chope. O prêmio pode ser trocado em diversos bares e restaurantes da cidade.

Da parte dos estabelecimentos, a única exigência é que o doador espere pelo menos seis horas antes de trocar o cupom. Segundo a Fundação Pró-Sangue, esse procedimento é adotado como precaução, uma vez que o sistema imunológico do doador precisa se recompor.

sangue
Quantos litros de sangue será que ela doou?

Tacoma é muito longe para você? Não tem problema, em São Paulo, por exemplo, existem quatro postos de coleta da Fundação Pró-Sangue, todos com lanche grátis — o da estação Clínicas do metrô tem até estacionamento gratuito, por até duas horas!

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, Jornalismo, São Paulo Tags: , ,
14/12/2009 - 22:57

Onde fica a "Armando Pinto"?

Compartilhe: Twitter

armandopinto

Parece brincadeira, mas é sério! Essa rua existe e fica no Alto de Pinheiros, em São Paulo.

Para conhecer outras 1075 curiosidades sobre São Paulo, clique aqui.

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Cotidiano, Humor, São Paulo Tags: , ,
06/11/2009 - 22:40

O dia em que o MASP parou a Paulista

Compartilhe: Twitter

O MASP (Museu de Artes de São Paulo Assis Chateuabriand) mudou-se para o número 1.578 da Av. Paulista no dia 7 de novembro de 1968. Antes, o museu – idealizado pelo empresário Assis Chateaubriand e o crítico de arte  Pietro Maria Bardi – ficava no centro da cidade.

masp

Entre os convidados de honra para a inauguração do novo prédio estava a Rainha da Inglaterra, Elizabeth II. Aliás, os inúmeros reunidos para ver a rainha pararam a avenida Paulista, o que atrasou o início do evento.

masp_grande

Ao idealizar a nova sede, a arquiteta modernista italiana Lina Bo Bardi preocupou-se em não estragar a vista para o centro da cidade. Por isso, o MASP foi projetado com o famoso “vão livre” e, para a personagem do livro “Meu Museu”, ficou parecendo mais um prédio suspenso e “deitado” na horizontal.

Meu-Museu_300_CMYK_JPG

Escrito por Maísa Zakzuk, o livro “Meu Museu” narra de maneira bem divertida a primeira visita de uma garotinha ao MASP. Levada pelos pais, ela fica intrigada: “Museu não é aquele lugar que só tem coisas velhas?”. Ao longo do passeio, ela acaba descobrindo que a resposta é sim…e não!

Ficou com vontade de visitar o MASP? O museu fica aberto de terça à domingo das 11h às 18h. Quinta-feira ele abre às 11h e fica aberto até às 20h. Os ingressos custam 15 reais (7 reais para estudantes).  Ah, fique atento: a bilheteria fecha com uma hora de antecedência. A entrada é gratuita às terças e diariamente para crianças menores de 10 anos e maiores de 60 anos.

Autor: - Categoria(s): São Paulo Tags: , , , ,
Voltar ao topo