Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria Pergunta Curiosa

03/04/2010 - 17:45

É Páscoa? Então, toma um chocolate!

Compartilhe: Twitter

“Tomar um chocolate”. A expressão usada para times que aplicam goleadas no adversário teria nascido depois de um Vasco 4 x Internacional 0, em 25 de janeiro de 1981, partida válida pelo Campeonato Brasileiro. A goleada foi encarada pelos vascaínos como uma vingança da derrota da final do Brasileirão de 1979. Na cabine da Rádio Globo, o narrador Washington Rodrigues, o “Apolinho”, colocou no ar o clássico “El Bodeguero”, do músico cubano Ricard Egües (1924-2006). Egües era flautista da Orquestra Aragón e a música entrou para o repertório de Nat King Cole. Para Apolinho, o refrão de “El Bodeguero” era bem apropriado para a ocasião: “Toma chocolate/Paga lo que debes”. Assim “tomar um chocolate” foi incorporado ao jargão futebolístico.

(Obrigado ao companheiro Paulo Vinícius Coelho, o “PVC da ESPN-Brasil, que ajudou na pesquisa).

Autor: - Categoria(s): Baú, Esporte, Pergunta Curiosa, Você é curioso Tags: , , , , , , , ,
09/03/2010 - 21:17

Astronauta ou cosmonauta?

Compartilhe: Twitter

Durante a Guerra Fria, uma das tantas batalhas travadas pela União Soviética e pelos Estados Unidos era a conquista do Universo. Não, não estou falando de “Guerra nas Estrelas”. Os dois países brigavam para ver quem conseguiria enviar uma nave tripulada ao espaço primeiro. A União Soviética se saiu melhor. Em 12 de abril de 1961, o cosmonauta Yuri Gagarin viajou ao redor da Terra por 1 hora e 48 minutos. Foi aí que cunhou sua famosa frase: “A Terra é azul”.

Pouco mais de 8 anos depois, em 20 de julho de 1969, às 23h56, o astronauta Neil Armstrong se tornou o primeiro homem a pisar na lua. Norte-americano, Armstrong calçava 41 e foi seguido pelo companheiro na expedição Apollo 11, Edwin Aldrin. Com o coração pulsando a 156 batimentos por minuto, Neil Armstrong soltou a frase mais famosa dela: “Um pequeno passo para um homem, um enorme salto para a humanidade”.

Tudo bem. Mas, afinal, qual a diferença entre cosmonauta e astronauta? O dicionário explica:

cos.mo.nau.ta
O mesmo que astronauta.

A diferença entre as palavras também fazia parte da briga entre União Soviética e Estados Unidos. Os países queriam não apenas serem os primeiros a enviar homens ao espaço, como também dar nome a esse homem. Para a União Soviética, cosmonauta. Para os Estados Unidos, astronauta.

(Sabia que tem uma brasileira trabalhando na Nasa? Ela até lançou um livro!)

Autor: - Categoria(s): Pergunta Curiosa Tags: , , , ,
17/02/2010 - 12:00

Quantas vacas restaram?

Compartilhe: Twitter

Recebi o texto, “Probleminhas curiosos”, do próprio autor, Adalberto Nascimento. Tente resolver os problemas. É muito divertido!

Quase no final da Primeira Guerra, o matemático inglês Godfrey Harold Hardy (1877-1947) foi visitar, num hospital inglês, o matemático autodidata hindu Srinivasa Ramanujan (1887-1920). Ramanujan vivia sempre doente desde quando viera morar na Inglaterra, atendendo a um convite de Hardy.

O inglês o convidara por reconhecer em Ramanujan um gênio da matemática. Devido à sua intuição e aos seus raciocínios inovadores, o hindu desenvolveu muitas teorias com Hardy. Como este era tímido e fissurado em números, naquela visita, só pra puxar conversa, comentou com o paciente sobre o fato de a placa do táxi que o trouxera conter um número sem graça – 1729. Com voz pastosa, Ramanujan prontamente retrucou: “Nada disso. Esse é o menor número inteiro que pode ser obtido como resultado de duas somas de cubos distintos.” E explicou: 1729 pode ser a soma de 1 elevado ao cubo com 12 elevado ao cubo (1³+12³=1729), bem como a de 9 elevado ao cubo com 10 elevado ao cubo (9³+10³=1729).

Essa intimidade extrema com números é privilégio de poucos. Nós, simples mortais, ficamos embananados com coisas bem mais simples. Para demonstrar que, em geral, as pessoas ficam atrapalhadas só pelo fato de um assunto abordar matemática, vejamos três probleminhas que deixam muita gente inteligente confusa. Vamos lá.

Primeiro: Um fazendeiro tem 12 vacas. Todas, menos 5, morrem. Quantas vacas restam?

Segundo: Pedro tem 5 bolas, que são 3 a menos do que tem Maria. Quantas bolas tem Maria?

Terceiro: Um livro custa 1 real mais a metade do seu preço. Quanto custa o livro?

Sugerimos, nesta altura, que o leitor dê uma paradinha. Tome um cafezinho e, depois de tentar resolver (ou resolver) essas questões, continue a leitura.

Teve que pensar muito para resolver? Sabemos que muita gente afoita gosta de responder de bate-pronto – são os tais que não leem bulas ou manuais de instruções. Também temos as pessoas desconfiadas, para as quais tudo é pegadinha. E, finalmente, aqueles que, receosos de vexames, não respondem nada. Talvez essa espécie de receio impregnado desde a infância seja um dos fatores indutores às pessoas temerem matemática. O nosso ensino deveria ser modificado para que as pessoas amassem o conhecimento e aprendessem com prazer.

Bem, deixemos essas divagações e vamos às soluções. No primeiro problema, a tendência geral é fazer a diferença 12-5=7. Entretanto, lendo a questão com atenção, constatamos que apenas 5 vacas sobreviveram. Ou seja, restam 5 mesmo. Essa serve pra pegar os apressadinhos. A solução do segundo problema “tá na cara”, como diria o vereador Yabiku: Maria tem 8 bolas. O terceiro problema é o que embanana muitos marmanjos. Apresentando a solução sucintamente: aquele 1 real é a outra metade do preço. Logo, o livro custa 2 reais.

Apenas pra descontrair, vejamos outro tipo de problema, digamos, diplomático: Um avião chileno, com tripulação chilena, transportando apenas passageiros brasileiros cai exatamente na fronteira do Brasil com o Chile. Não há sobreviventes. Para qual país deverão ser levados os restos mortais das pessoas? A lógica, nesse caso, leva a concluir que os restos da tripulação devem ser transportados para o Chile e os dos passageiros para o Brasil. Certo? Nada disso. A proposição inicial do problema parte de uma impossibilidade. O Brasil não faz fronteira com o Chile. Os dois únicos países da América do Sul com os quais o Brasil não faz fronteira são o Chile e o Equador. “Mutatis mutandis”, o problema poderá ser adaptado ao Equador. Todavia, face ao nível de ensino atual, acho que até com a Dinamarca é possível.

Essas questões fizeram-me lembrar de uma do meu já antológico (ou jurássico?) vestibular. Quanto mais simples a pergunta, mais capciosa ela é. E assim foi: às 3 horas e 15 minutos, qual é o menor ângulo entre os ponteiros de um relógio?

Naquele tempo, não havia relógios digitais (ou eram raríssimos). Eu, por sorte, estava com o meu suíço “Mondaine” analógico, com algarismos romanos – presente dos meus pais e que eu usava desde os deliciosos tempos do “Estadão”. Foi uma bênção. De bate-pronto, imaginando os ponteiros encavalados, quase respondi “zero grau”. Mineiramente, fiquei desconfiado. Coloquei o relógio na posição 3 horas exatas e fui girando o ponteiro dos minutos até atingir o 3 – equivalente aos 15 minutos. À medida que o ponteiro maior se movia, o menor também o fazia. Como o maior girou um quarto de uma circunferência, o menor deveria girar um quarto do ângulo entre o 3 e o 4 (ou melhor III e IIII – nos relógios com algarismos romanos é comum, por razões estéticas, IIII em vez de IV). Como esse ângulo é de 30 graus (360 dividido por 12), bingo! A resposta é 30/4 =7,5 graus.

Bingo pro meu reloginho, que marcou, como naquela ocasião, diversos momentos de indescritíveis alegrias na solução de muitos outros probleminhas. Nem sempre curiosos.

Adalberto Nascimento é engenheiro (dal@globo.com).

Autor: - Categoria(s): Pergunta Curiosa Tags:
05/01/2010 - 09:01

O desafio dos slogans

Compartilhe: Twitter

Passei o reveillon num hotel em Foz do Iguaçu (PR). Nos finais de tarde, à beira da piscina, a equipe de recreação oferecia alguns jogos para os hóspedes. Coisas como adivinhar o peso exato de um abacaxi, o número de páginas de um livro de Shakespeare ou a quantidade de metros de uma corda. Uma das brincadeiras mais divertidas foi lembrar o nome de uma empresa ou de um produto com a ajuda de seu slogan. Parece fácil, mas não é. Das 34, eu acertei apenas 15. Vamos ver como será o seu desempenho. Copiei os slogans. As respostas estão logo abaixo. É proibido colar.

1. Te dá asas
2. Jeito certo de fazer cerveja
3. Uma boa ideia
4. Só ele é assim
5. O uísque descomplicado
6. Fazendo sempre melhor
7. Sensível diferença para mulheres especiais
8. A marca que pensa
9. A verdadeira maionese
10. Natural do Brasil
11. Qualidade em biscoito
12. Tem tudo, só falta você
13. Bom para você, bom para o Brasil
14. Proteção que refresca
15. A gente se vê por aqui
16. Seu corpo está pedindo esse prazer
17. É impossível viajar sem ele
18. As amarelinhas
19. Mil e uma utilidades
20. O carro que você imaginava existe
21. Fazendo seu caminho melhor
22. Quem lê é super
23. A cerveja que desce redondo
24. Bem estar bem
25. O básico do Brasil
26. Todo mundo só fala nele
27. Ah, se todo branco fosse assim
28. O guaraná da Amazônia
29. O popular do Brasil
30. Um terço de sua vida você passa nele
31. Refresca até pensamento
32. O queijinho do coração
33. Uma grande cerveja
34. Você faz mais gostoso com…

Terminou? Agora você pode conferir as respostas:

1. Red Bull
2. Schincariol
3. Caninha 51
4. Campari
5. Natu Nobilis
6. Philips
7. Sabonete Vinólia
8. Sharp
9. Hellman’s
10. O Boticário
11. São Luiz – Nestlé
12. Itaú
13. Banco do Brasil
14. Sorriso
15. Rede Globo
16. Neston Barra
17. Guia 4 Rodas
18. Ray-O-Vac
19. Bombril
20. Ford Focus
21. Ford
22. Superinteressante
23. Skol
24. Natura
25. Hering
26. Nokia
27. Sabão em pó Ace
28. Kuat
29. Gol (Volkswagen)
30. Colchões Ortobom
31. Brahma
32. Chambinho
33. Kaiser
34. Maggi

E então, conferiu tudo? Deixe registrado aqui a sua pontuação. Se lembrou de algum outro slogan, que não está na lista, aproveite também para compartilhar com os outros curiosos.

Autor: - Categoria(s): Listas, Pergunta Curiosa, Propaganda Tags: ,
19/10/2008 - 21:36

Por que Santo Expedito matou o corvo com um pisão?

Compartilhe: Twitter

Não consegui entender direito a assinatura do leitor de Campos Gerais (MG), que me enviou esta carta. Por isso, essa resposta sai sem o nome dele. A carta traz uma imagem de Santo Expedito. O leitor escreveu que “grande parte da população brasileira tem uma dessas na carteira”. Pergunta o significado das palavras “crás” e “hodie” e quer saber por que Santo Expedito está matando um corvo com um pisão.

Santo Expedito carrega uma cruz na mão direita (na qual está inscrita a palavra latina “hodie”, hoje) e uma folha de palma na esquerda (simbolizando o martírio). Com o pé direito, o Santo pisa em um corvo, que carrega a inscrição “cras”, amanhã, em latim. Ao lado do pé esquerdo, o capacete de legionário aparece abandonado.
A versão mais conhecida de sua origem conta que Santo Expedito era chefe de uma legião na região da Armênia, no Império Romano. Da história de sua conversão ao cristianismo, originou-se a fama de defensor das causas urgentes. De acordo com a lenda, no momento decisivo, um corvo apareceu gritando “cras” (amanhã) ou seja, pedindo para o legionário “adiar” sua conversão. Santo Expedito esmagou a ave com os pés, empunhou um crucifixo, respondeu “hodie” (hoje) e abraçou a religião cristã. A ousadia causou a ira do imperador Diocleciano. A mando dele, Expedito foi martirizado e assassinado no dia 19 de abril de 303.

Para conhecer a oração a Santo Expedito, clique aqui:
http://guiadoscuriosos.ig.com.br/index.php?cat=1389

Autor: - Categoria(s): Pergunta Curiosa Tags: , ,
10/10/2008 - 07:02

Segredinhos de um elevador

Compartilhe: Twitter

Há seis ou sete anos, quando ainda estava aprendendo a ler, minha filha entrou no elevador e disparou a pergunta:
– Pai, o que quer dizer este botão com as letras PO?
Respondi sem pestanejar que era “Porta”. Mas, confesso, eu não fiquei nada satisfeito com a resposta. Desde quando “PO” era abreviatura de porta? Anotei o telefone da fábrica do elevador, liguei para lá e, eureca, descobri que PO significava “Push to Open” – “Aperte para Abrir”.
De lá para cá, comecei a prestar mais atenção nos botões dos elevadores. Há muitos segredos por trás deles. No hotel em que eu fiquei hospedado em Porto Alegre, o térreo era identificado pela letra “P”. O recepcionista me disse que era P de Portaria.

.

Cada lugar identifica o térreo de um jeito. Não há nenhuma regra. Já vi o número 0, as letras RC (rés-do-chão) e a letra H (hall). Numa palestra que fiz recentemente para funcionários da Unilever, ouvi a melhor de todas. A nova moradora perguntou ao zelador por que o térreo era identificado pela letra A. Ele pensou, pensou e respondeu:
– É A de Avenida. A senhora não tá vendo a avenida aí na frente do prédio?
Ela descobriu, algum tempo depois, que o A era de Atrium.

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, Pergunta Curiosa Tags: ,
05/10/2008 - 23:55

Táxis vermelhos ou laranjas?

Compartilhe: Twitter

Acabo de voltar de Porto Alegre com a resposta para a grande dúvida que se instaurou aqui quando falamos sobre as cores dos táxis. Afinal, os táxis de Porto Alegre são vermelhos ou laranjas? Parecia ser uma tarefa fácil, mas só entendi a polêmica quando cheguei lá. Dependendo da luz, tem hora que eles parecem vermelhos, tem hora que parecem laranjas. A história é a seguinte. Em 1972, os táxis foram obrigados a usar a cor laranja granada. Era uma cor especial, bastante chamativa, para fácil identificação dos passageiros. Só que muitos motoristas começaram a comprar carros vermelhos e conseguiam passar pela fiscalização do Detran. O laranja granada foi sendo substituído aos poucos pelo vermelho ibérico, que é a atual cor oficial. Nos documentos dos táxis, a cor que aparece agora é “vermelho”.

Sobre esse assunto, o leitor Eduardo Oliveira dos Santos, de Porto Alegre, também nos escreveu:

“Os táxis convencionais são vermelhos (é um vermelho próprio especificado pela EPTC – Empresa Pública de Transporte e Circulação). Consiste em um vermelho sólido, de tom alaranjado, como o vermelho da Ferrari, mas um pouco mais claro. A pintura é feita pela própria EPTC, sobre a pintura original do carro. Não é uma pintura encomendada de fábrica. Os táxis não têm o párachoque pintado.

Há também os táxis que atendem o Aeroporto Internacional Salgado Filho. Esses carros são brancos (originais de fábrica). Há um tempo atrás, a bandeirada dessa frota era mais cara, porque eram carros mais luxuosos e com ar condicionado. Só que essa diferenciação se desfez com o tempo, pois os táxis convencionais também começaram a dispor desse item de conforto. Hoje as duas frotas possuem o mesmo preço da bandeirada”.

O Eduardo mandou a foto do táxi de Porto Alegre (que você viu aí em cima) e também as fotos do táxi especial do aeroporto e, de quebra, a foto de um táxi de Curitiba. Este, sim, laranja.

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, Pergunta Curiosa, Viagem Tags: ,
Voltar ao topo