Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria livros

14/10/2009 - 17:48

Minha primeira vez na Feira de Livros de Frankfurt

Compartilhe: Twitter

ingressos

Sempre que alguém falava sobre a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, o comentário era o mesmo: “Aquilo é enorme! Anda-se muito! É bastante cansativo”. Imaginava que havia aí um pouco de folclore. Mas hoje visitei a famosa feira pela primeira vez e o meu comentário não será diferente. Estou com os pés doendo de tanto andar! Foram quase dez horas ininterruptas para percorrer apenas metade da feira. Sim, só metade. Pelos meus cálculos, foi como se eu tivesse ido a três Bienais de São Paulo num único dia. Há estandes de editoras do mundo inteiro – vi livros produzidos em Bangladesh e no Vietnã. Tomei até uma taça de vinho no estande de Taiwan. Não sei exatamente o que eles festejavam. É engraçado ficar observando livros de línguas tão diferentes e, em muitos casos, não ter a menor ideia do assunto deles. Aí só dá mesmo para, ao contrário do ditado, julgar o livro pela capa. Confira um pouco do clima da feira:

entrada

feiraquatro

Hoje foi o dia de abertura. Por enquanto, a Feira de Livros só está aberta a profissionais da área. O público só pode visitá-la nos dois últimos dias (sábado e domingo).

feiracinco

feiratres

feiradois

feiraum

É tanto livro que até um dos restaurantes chiques do complexo tem também um estande de obras de gastronomia.

feiraseis

Amanhã vou visitar o estande das editoras brasileiras. A Panda Books está lá. Também tenho reuniões agendadas com agentes internacionais. Tudo aqui é assim. As reuniões para discutir negócios são marcadas bem antes. Será um dia de bastante trabalho. Para mim e para meus pés.

feirasete

Autor: - Categoria(s): livros Tags:
14/10/2009 - 13:51

Ler um livro por dia – um ano inteiro

Compartilhe: Twitter

O brasileiro lê, em média, 1,8 livro por ano. Já a americana Nina Sankovitch decidiu ir além. Ela está lendo, ao longo do último ano, um livro por dia.

12towns.large1

Nina resolveu seguir um valioso conselho dado por seus professores: leia muito. A ex-advogada, casada e mãe de três filhos, agora dedica grande parte do seu tempo a uma tarefa em especial: ler um livro por dia, durante 365 dias. Ela conta no blog “Read All Day” (“Leitura o dia todo”) que resolveu embarcar nessa missão para lembrar o importante papel dos livros na vida das pessoas. Ela também quis provar que é perfeitamente possível manter sua leitura em dia, mesmo com todas as atribulações da vida moderna. O último motivo era bem pessoal: a leitura ajudou Nina a superar e entender a morte de sua irmã.

Ah, ela também posta uma resenha do livro lido todas as manhãs. A maratona de leitura de Nina acaba dia 28 de outubro. Sabe por que resolvi falar de livros? Porque estou aqui em Frankfurt para participar da Feira do Livro mais importante do mundo. É sobre isso o próximo post.

Autor: - Categoria(s): livros Tags: , , ,
03/09/2009 - 10:07

A obra do imortal Fernando Collor de Mello

Compartilhe: Twitter

Ex-presidente cassado do Brasil e atual senador pelo PTB de Alagoas, Fernando Collor de Mello acaba de se tornar imortal. Ele foi eleito ontem o mais novo membro da Academia Alagoana de Letras. Ele não tem livros publicados, mas apresentou em sua candidatura discursos e artigos publicados em jornais.

Entre os títulos apresentados estão “Brasil: um projeto de reconstrução nacional” e “Relato para a História: a verdade sobre o processo de impeachment”.  Este último é a transcrição de seu primeiro discurso na volta ao Senado, feito em 17 de  março de 2007. O discurso começa assim:

” Os episódios que aqui vou rememorar obrigaram-me a padecer calado e causaram mossas na minha alma e cicatrizes no meu coração. Se o sofrimento e as injustiças provocam dor e amargura, podem também nos trazer úteis e até proveitosas lições. Ambos nos ensinam a valorizar a grandeza dos justos e a justiça dos íntegros. As agruras terminam retemperadas pela lealdade dos amigos e pela solidez das verdadeiras amizades.”

Depois segue em mais 97 páginas, que estão disponíveis no site do Senado Federal. Alguns trechos:

“Nos momentos mais dramáticos desse processo, pude ponderar sobre os fastos de nossa história política, recordando a abdicação imposta a D. Pedro I, a deposição e o exílio de seu filho e sucessor, D.Pedro II e o desencanto que levou Deodoro a renunciar à presidência da República que ele proclamou. Por minha mente, perpassaram a deposição e a extradição de Washington Luís, o suicídio do presidente Vargas, o impedimento declarado sem processo pela Câmara de seu sucessor Café Filho e do substituto Carlos Luz. Recordei-me da renúncia de Jânio Quadros e da ação que depôs João Goulart e lhe impôs o exílio em que faleceu. E com isso, Senhor Presidente, pude concluir como os atos de força tornaram-se quase uma rotina periódica de nossa história política.” (Página 5)

“A falsidade, Senhor Presidente, sempre foi um recurso condenável e deletério, lamentavelmente utilizado na política brasileira, com maior ou menor freqüência, segundo os interesses nela envolvidos.” (Página 11)

“Hoje, posso virar definitivamente aquelas páginas doídas de minha vida pública e, finalmente, invocar o personagem Marco Antônio, na peça “Julio César”: “I come to bury Cæsar, not to praise him”. Como ele, Senhor Presidente, Sras. e Srs. Senadores, não vim lastimar o passado. Vim para sepultar de vez essa dolorosa lembrança.” (Página 96)

Candidato único à vaga deixada pelo médico Ib Gatto Falcão, Fernando Collor de Mello recebeu 22 dos 30 votos.

Em seu período como presidente, de 15/3/1990 a 02/10/1992, Collor tinha formas mais suscintas de passar seu pensamento. Ele usava camisetas com frases de impacto, como “Drogas, Independência ou Morte”, “Samambaia, aqui plantamos a vida”, “Quem é que vai pagar por isso?” e “Não fale em crise. Trabalhe”.

Será que Collor também mostrou para os imortais da Academia Alagoana de Letras as suas frases de camisetas?

A lista completa das frases das “camisetas colloridas” você confere aqui.

Autor: - Categoria(s): Baú, Bizarro, Cotidiano, Jornalismo, livros Tags: , , ,
30/08/2009 - 17:24

A camisa do centenário do Corinthians

Compartilhe: Twitter

Gostei da nova camisa número 3 do Corinthians. Ela mistura o preto com o roxo e foi anunciada como a camisa comemorativa do centenário corintiano, em 2010. É mais bonita que a toda roxa, embora parte da torcida continue não gostando dessa inovação. Os detalhes em dourado fazem lembrar a camisa usada na Libertadores de 2006. Era uma camisa linda, mas a eliminação traumática para o River Plate aposentou o modelo antes da hora. Só que mais legal que a camisa é o comercial que a Nike fez para seu lançamento. Os comerciais da Nike são mesmo incríveis!

O livro que aparece bem no começo do comercial já foi apresentado aqui: “A História das Camisas dos 12 Maiores Times do Brasil”. Outro detalhe mostra que esse novo modelo pode ter sido pensado no ano passado.  Mas só agora foi utilizado.  Repare que, aos 17 segundos do comercial, o designer aparece circulando o modelo em vermelho.  O patrocinador que aparece naquele momento é a Medial, e não a Batavo.

Em tempo: já que este post deve estar sendo lido por uma maioria corintiana, aqui vai a dica do primeiro livro que trata dos 100 anos do Corinthians. Uma homenagem ao torcedor. “Fiel 100 Anos” já está nas livrarias. A noite de autógrafos será no próximo dia 10/09 na Saraiva do Shopping Anália Franco, em São Paulo.

Autor: - Categoria(s): Esporte, livros Tags: , , , ,
29/08/2009 - 07:46

As novidades dos 10 anos da Panda Books

Compartilhe: Twitter

A Panda Books completa 10 anos no próximo dia 23 de setembro. Para comemorar, apresentamos duas grandes novidades. A primeira é que estamos agora no Twitter: www.twitter.com/pandabooks. Você pode acompanhar todos os lançamentos, as promoções e as novidades. Siga-nos! A segunda é a estreia de um canal de TV virtual. O leitor poderá assistir a entrevistas com autores e trailers dos principais lançamentos. Vários já estão no ar. Veja um deles agora:

 

Autor: - Categoria(s): livros, Sites curiosos Tags: , , ,
19/08/2009 - 16:09

Vivendo com as estrelas – uma brasileira na Nasa

Compartilhe: Twitter

Há 25 anos, a paulista Duília de Mello vive, literalmente, entre as estrelas. Ela é astrônoma profissional, trabalha na Nasa – a famosa agência espacial norte-americana – e até mesmo descobriu uma supernova!

Ficou com vontade de saber como é a vida de um astrônomo? Não sabe o que é uma supernova? Duília explica tudo isso no livro “Vivendo com as Estrelas”. Afinal, foi para matar sua própria curiosidade sobre o Universo que ela decidiu seguir essa profissão nada convencional.


“A supernova ocorre quando uma estrela explode. Os restos de uma supernova podem se tornar uma estrela de nêutrons (de alta rotação e que pulsa com grande energia) ou, no caso de estrelas com muita massa, um buraco negro, ou seja, uma região do espaço cuja densidade é tão grande que nem mesmo a luz consegue escapar dele”, escreveu Duília.

Você acha o assunto bem interessante, mas sente arrepios só de pensar em estudar matemática e física? Duília garante que é possível se tornar um conhecedor de astronomia sem precisar se dedicar ao tema de maneira profissional. Os chamados astrônomos amadores têm dado também uma grande contribuição às pesquisas. Basta ter um pouquinho de dedicação e muita vontade de aprender.

Além de astrônoma e pesquisadora, Duília também é uma estrela (rs!) da blogosfera. Você pode acompanhar as aventuras da brasileira da Nasa em “Mulher das Estrelas”.

Autor: - Categoria(s): Invenções, Jornalismo, livros Tags: , , , ,
03/08/2009 - 13:16

A história das camisas dos 12 maiores times

Compartilhe: Twitter

Você sabia que praticamente todos os chamados times grandes do Brasil já jogaram com um uniforme diferente do tradicional? O exemplo mais recente é a camisa roxa que o Corinthians lançou no ano passado. Agora o Palmeiras anuncia que seu terceiro uniforme para 2009 será azul.

No livro “A História das Camisas dos 12 Maiores Times do Brasil”, que será lançado hoje, na Livraria Cultura, do Shopping Market Place, em São Paulo, os autores Paulo Gini e Rodolfo Rodrigues trazem os 2.000 modelos diferentes que os clubes usaram desde que foram fundados. Eles mostram também as trocas de patrocinadores e de fornecedores de material. Nenhum detalhe foi esquecido.

Em 2000, o Atlético Mineiro reeditou pela primeira vez em 60 anos uma camisa totalmente preta. Ela foi feita para ser usada nos jogos internacionais da Libertadores. O sucesso entre os torcedores foi tanto que até hoje o Galo tem uma camisa totalmente preta.

Jogando contra o time do Engenho de Dentro, em 7 de maio de 1933, o Botafogo usou uma camisa vermelha com a gola branca. Isso aconteceu porque o time adversário usava um uniforme listrado azul e branco, que poderia ser confundido com a vestimenta tradicional do Fogão. Em outras três ocasiões, pelo mesmo motivo, o Botafogo foi obrigado a usar camisas de cores diferentes: em 1923, uma verde, emprestada pelo time do Andaraí; em 1968, uma azul emprestada pela Adeg, administradora do Maracanã; e em 1975, de amarelo, camisa emprestada pelo time da Suderj.

Para homenagear o Torino, da Itália, que havia acabado de perder todos os jogadores e comissão técnica em um acidente aéreo, o Corinthians vestiu a camisa do clube. Foi contra a Portuguesa, no Pacaembu, no dia 8 de maio de 1949.

Feita especialmente para a Libertadores de 2004, a camisa azul-celeste do Cruzeiro faz parte da primeira geração de camisas com uma coroa acima do escudo do clube. A chamada tríplice coroa faz referência à temporada de 2003, em que o Cruzeiro foi campeão mineiro, da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro.

Ano passado, depois de uma briga judicial com a fornecedora de materiais esportivos, o Flamengo fez suspense e entrou em campo no Campeonato Brasileiro usando uma camisa com três interrogações no lugar da logomarca. Derrotado na Justiça, o time voltou a usar a camisa anterior poucas partidas depois.

A camisa laranja do Fluminense foi lançada no centenário da equipe, em 2002, e não agradou os torcedores. O Tricolor usou a camisa apenas no segundo tempo de um amistoso. Atualmente, uma das camisas de treino do Flu é dessa cor.

E o Grêmio, que, acredite, já jogou de vermelho? Na verdade, a cor era o havana, um parente  do vermelho. Foi a primeira camisa do time, em 1903. Depois, o havana foi substituído pelo preto porque os tecidos eram caros demais, e até raros. Em compensação, em 1987, a Coca-Cola  teve que colocar sua logomarca em preto na camisa do Grêmio, e não no tradicional vermelho, cor do maior rival. Foi a primeira vez que isso aconteceu.

A exemplo dos argentinos do River Plate, o Internacional já jogou de branco com uma faixa diagonal vermelha. Durante boa parte da década de 1950, uma das camisas do time tinha essa composição. Em 1995, o segundo uniforme também era assim.

Na final do Paulistão de 1954, que aconteceu em fevereiro do ano seguinte, o Palmeiras enfrentou seu maior rival, o Corinthians, usando uma camisa azul. A escolha teria acontecido por conselho de um pai-de-santo — que errou o prognóstico. O empate de 1 x 1 deu o título ao Corinthians.

“Paz” foi a primeira inscrição que apareceu na frente da camisa do Santos. A palavra não era parte de um patrocínio, foi escrita em apoio a uma campanha que acontecia na cidade de São Paulo em 1983. Um patrocínio curioso que apareceu na camisa do Santos foi o do Lenços de Papel Kleenex, em 1986.

O marketing esportivo ainda estava engatinhando em 1997. Talvez por isso a camisa do São Paulo, que tinha escrito “Bom…???”, tenha causado tanta surpresa. Ela foi usada em apenas um jogo, contra o Cruzeiro, e deu sorte: 5 x 0, cinco gols de Dodô. A brincadeira serviu para anunciar o futuro patrocinador do time: a esponja de aço Bombril.

Muitos clubes não tiveram a chance de homenagear seus maiores ídolos enquanto eles ainda estavam jogando. Não foi o caso do Vasco, que entrou em campo no dia 24 de março de 1983 com a frase “Valeu Roberto!” estampada na camisa. Até Zico, maior jogador da história do Flamengo, atuou no onze cruz-maltino naquela partida contra o La Coruña, da Espanha. Mesmo assim, os europeus venceram por 2 x 0.

O lançamento do livro será hoje, a partir da 19h, na Livraria Cultura, do Shopping Market Place, que fica na avenida Chucri Zaidan, 902, em São Paulo. Além de autografar os livros, os autores — que colecionam camisas de futebol — levarão algumas raridades que poderão ser conferidas para ficarem expostas.

Autor: - Categoria(s): Esporte, livros Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
31/07/2009 - 17:36

Chita, companheira de Tarzan, lança sua biografia

Compartilhe: Twitter

A simpática chimpanzé que acompanhava o Tarzan interpretado pelo ator Johnny Weissmuller acaba de lançar sua autobiografia. Autobiografia? Como assim? Intitulada “Me Cheteta” (“Mim Chita”), a obra foi escrita pelo “ghostwriter” James Lever e conta a trajetória de um dos primatas mais famosos do cinema.

Chita, cuja nome verdadeiro é Jiggs, nasceu na década de 1930 na selva da Libéria, na África. O livro também revela que “Chita” é um chimpanzé macho, capturado exclusivamente para estrelar o primeiro filme do personagem Tarzan – “Tarzan – The Ape Man” (“Tarzan – o Homem Macaco”), em 1932. No total, doze chimpanzés fizeram o papel de Chita ao longo da história.

Aos 76 anos de idade, o chimpanzé Jiggs vive tranquilamente em Palm Springs. De acordo com o “Guinness – O Livro dos Recordes” é o mais velho primata ainda vivo.

PS: Chita é uma das personagens de meu “O Guia dos Curiosinhos – Super-Heróis”.

Autor: - Categoria(s): Animais, Cinema, livros Tags: , , , , , ,
30/06/2009 - 15:56

Livro mostra os vídeos mais bizarros do YouTube

Compartilhe: Twitter

O canal de vídeos YouTube foi criado em fevereiro de 2005. De lá para cá, ele revolucionou a maneira como assistimos à televisão, facilitando o acesso e o compartilhamento de milhares de cenas bizarras, curiosas e engraçadas. Está tudo lá. Mas onde mesmo? O difícil é encontrar estes inesquecíveis momentos.

Figura conhecida de quem acompanha o TV Curioso, o pesquisador Antonio Mier selecionou os vídeos mais engraçados e toscos de programas de TV do Brasil e do exterior que estão no YouTube. O resultado foi o livro “TV Trash”, publicado pela Panda Books, uma espécie de guia em meio ao mar de informação disponível no site de vídeos.  Mier mostra como encontrar todos eles. Veja só apenas três exemplos das barbaridades que você irá encontrar por lá:

Sílvio Santos provou que realmente topa tudo por dinheiro ao explicar tim-tim por tim-tim como funcionava a brincadeira da tábua sobre o tanque de água. Já adivinhou o que vai acontecer?

Transmitido pela TV Cultura, o programa Roda Viva é conhecido por promover debates históricos. Não foi o que aconteceu na entrevista com então candidato à presidência Orestes Quércia, em 1994. Você consegue contar quantas vezes o político gritou “caluniador” e “mentiroso”?

Anônimos também tem seu momento de estrelato. Com sotaque mineiro, ele aconselha: “Quem quiser doar, pode vir doar! Não dói nada!”. Humm…será que não dói nada mesmo?

Autor: - Categoria(s): Baú, Bizarro, Celebridades, Humor, Jornalismo, livros, Televisão, Tv Curioso Tags: , , , , , ,
09/06/2009 - 16:56

É proibido soltar pum depois das 18 horas

Compartilhe: Twitter

Você sabia que na Flórida, nos Estados Unidos, é proibido soltar pum em público depois das 18 horas?

Já na cidade de Newark, em Nova Jersey, é proibido comprar sorvetes depois do mesmo horário. Em Santa Cruz, na Bolívia, é proibido fazer sexo com uma mulher e com a filha dela ao mesmo tempo. Tem cada uma!!!

Essas e outras leis curiosas estão reunidas no livro “É proibido soltar pum após as 18 horas e outras leis malucas do mundo inteiro”, escrito pelo jornalista Mauro Ferreira, que acaba de ser lançado pela Panda Books.

Apesar de os Estados Unidos serem campeões em matéria de leis malucas, o livro possui um capítulo especial dedicado às peculiaridades do sistema judiciário brasileiro. Em 1894, a justiça da cidade paulista de Rio Claro proibiu o consumo de melancia nos limites do município. Será que as autoridades não eram muito fãs da fruta? Nada disso! Na época, acreditava-se que o consumo de melancia causava tifo e febre amarela. Para sorte dos habitantes de Rio Claro amantes da melancia, a lei já foi revogada.

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Cotidiano, Humor, livros Tags: , , , , ,
Voltar ao topo