Publicidade

Publicidade

Arquivo de março, 2010

31/03/2010 - 18:34

O que vale é passar no meio das pernas

Compartilhe: Twitter

Carlos Alberto Parreira, hoje técnico da Seleção da África do Sul, já disse que o gol é um mero detalhe do futebol.  Não é só ele que pensa assim. Os criadores do panna não têm a menor dúvida de que passar a bola pelos três paus não é tão emocionante quanto dar um “rolinho” no meio das pernas de um adversário. “Panna” é  justamente a expressão que, no Suriname,  país vizinho da América do Sul, equivale à nossa conhecida “jogar entre as canetas”.

O panna é um jogo de futebol diferente.  É um contra um ou dois contra dois. As partidas têm 3 minutos de duração, e são embaladas por ritmos como black music, R&B, sambarock e soul. Em vez de campo, acontece em quadras infláveis, que medem 4m X 6m. Ao final da partida, vence quem tiver feito mais gols. Com uma única exceção:  um panna (ou “caneta”) encerra o jogo e dá a vitória imediatamente ao autor da proeza, mesmo quem ele esteja perdendo naquele momento por 10 x 0.  Em outras palavras, é quase o mesmo que um “golden goal” ou uma “morte súbita” (o primeiro gol é o que dá a vitória a um time durante a prorrogação).

O jogo nasceu na Holanda, onde há atualmente 200 campeonatos regionais da modalidade e um torneio nacional anual. Itália, França, Suíça, Bélgica, Turquia, Espanha e Inglaterra também já conhecem o panna. No Brasil, a primeira exibição acontecerá no próximo dia 7, em São Paulo, com direito a presença do campeão holandês de 2009, Mo Boutaka. Ao cruzar com ele, não esqueça de deixar as suas pernas bem juntinhas. O cara é craque em desmoralizar os oponentes.

Autor: - Categoria(s): Esporte, São Paulo Tags: , ,
30/03/2010 - 18:20

Como mudar de nome ou sobrenome

Compartilhe: Twitter

Na Folha de S. Paulo de hoje, uma professora paulistana chamada Maria Nardoni, 56 anos, falou sobre  os constrangimentos que tem passado desde que estourou o caso “Nardoni”. Embora não tenha nenhum parentesco com o assassino da própria filha, ela vive sendo olhada de lado toda vez que precisa apresentar um documento. Alguns de seus parentes já receberam até ameaças pelo telefone. Tudo por causa do sobrenome.

Fazer mudanças no nome não é uma tarefa das mais simples. Para começar,  é preciso entrar com uma ação na Justiça e provar que o nome ou o sobrenome causam algum tipo de constrangimento ou situação vexatória. Os motivos podem variar de homônimos (pessoas com nomes idênticos), erros de digitação do escrivão no momento do registro ou até mesmo nomes, digamos, excêntricos demais, como Domingão Sabatino Gomes, Japodeis da Pátria Torres ou Grande Felicidade Virgínia dos Reis. Sim, essas pessoas existem.

Para acrescentar apelidos ao nome, o processo judicial é quase o mesmo. O interessado deve  provar que tem um público bastante grande que o conhece por aquele codinome.  Foi assim com Maria da Graça, que incorporou o “Xuxa” , e com Luís Ignácio, que colocou o “Lula”.

Outro caso famoso de mudança de nome foi do médium Chico Xavier. Ele só passou a se chamar Francisco Cândido aos 56 anos. Antes disso, ele era Francisco de Paula Cândido. Ele nasceu em 2 de abril, dia de São Francisco de Paula. Daí a escola do nome. Ao deixar de ser católico, ele resolveu  desvincular seu nome do santo.

Vale lembrar que nomes com pendências não podem ser trocados. Pessoas que respondem a processos criminais ou possuem dívidas em seu nome não podem pedir alteração na certidão de registro.

Autor: - Categoria(s): Brasil, Cotidiano, Jornalismo Tags: , , , , , , ,
29/03/2010 - 15:54

Site camicase controla a produtividade na marra

Compartilhe: Twitter

Em quase toda empresa, patrões, diretores e gerentes vivem reclamando daqueles  funcionários que  rendem pouco.  Vivem dando incertas para ver se o subordinado está mesmo trabalhando ou se está lendo o “Blog do Curioso” no meio do expediente… Embora não seja um lançamento das Organizações Tabajara, dá para dizer que os problemas dessa turma terminaram. E que os problemas daquela outra estão apenas começando.  Existe site que vai deixar os digitadores  muito (muito!) mais produtivos. Ok, talvez um pouco doidos também, mas produtivos.

O site é o Write or Die, e funciona da seguinte maneira: você determina quantas palavras quer que sejam digitadas em determinado computador  e em determinado tempo. Então, o site contabiliza tudo enquanto a pessoa trabalha. O problema é se o indivíduo for lento. No modo “camicase”, se o sujeito passar mais de 20 segundos sem mexer no teclado, as palavras vão se apagando rapidamente, uma a uma. No modo “evil”, a tolerância é de 5 segundos. Infernal mesmo! Dormiu no ponto, perde o que já fez.

Para não dizer que o site pega pesado demais (alguma dúvida?), o criador do monstro avisa que ele nunca apaga a primeira palavra digitada, sempre as últimas. Além disso, o site dá uma colher-de-chá e permite que o tempo seja pausado. Mas isso pode ser feito apenas uma vez.

Ah, se o número de acessos do blog começar a cair depois desse post, vou ter certeza que a culpa é única e exclusivamente minha!

Autor: - Categoria(s): Sites curiosos Tags: , ,
26/03/2010 - 16:44

A Segunda Guerra Mundial de Travesseiros

Compartilhe: Twitter

Preparar, apontar e… travesseiros! No próximo dia 3, o Brasil vai participar da segunda edição do Dia Mundial da Guerra de Travesseiros. No ano passado, o evento contou com 3 mil participantes no país todo, um terço só em São Paulo. Foram 27 cidades guerreando ao mesmo tempo. Para 2010, já são 30 as cidades cadastradas. A expectativa é que o número cresça para 10 mil participantes. São esperados 3 mil “soldados” em São Paulo, que terá o Vale do Anhangabaú como cenário.

Por aqui, quem organiza o evento é o MOBrasilNEWS.com, o maior site especializado em flash mob (ações inusitadas que reúnem várias pessoas) do país. Mas a ideia original é canadense – o grupo “New Mind Space” organizou o primeiro “Pillow Fight Day” em 2006. Hoje, eles mantêm um site específico para a guerra de travesseiros para cadastrar todas as cidades que vão aderir ao movimento ao redor do mundo.

Veja as cidades que vão participar do Pillow Fight Day:

Interessado? Então, vamos às regras. A primeira delas é que a batalha não tem hora para acabar. Porém, os organizadores pedem para que os participantes não continuem depois do anoitecer, pois precisa sobrar tempo suficiente para limpar o local. Recolher os destroços da batalha é de responsabilidade dos guerreiros. As prefeituras não têm nada a ver com isso.

Cada um leva o seu travesseiro, e é uma boa ideia levar alguns extras para emprestar para guerreiros sem armas. Mas eles devem ser de penas artificiais, ou seja, nada de penas de ganso. Outro detalhe importante: não vale atacar quem não tiver com travesseiro ou com almofada para se defender. Nada de  colocar objetos dentro das fronhas.

E não se esqueça de ter na ponta da língua a resposta oficial preparada para o caso de a imprensa aparecer: “Vim agora da Casas Bahia (ou qualquer outra loja), fui lá comprar almofadas. Passei aqui e, de repente, me jogaram no meio disso”. O responsável pelo MOBrasilNEWS.com, Caio Komatsu, explica: “É uma característica do flash mob dar a ideia de que aquilo não foi previamente combinado, apenas um fruto do acaso”.

A guerra começa às 17 h, e é totalmente gratuita. Vale lembrar que os travesseiros que sobreviverem serão doados com todas as honras para uma ONG de reciclagem.

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Cotidiano, Datas Comemorativas, Humor Tags: , ,
24/03/2010 - 23:07

Advogado em defesa da boa aparência

Compartilhe: Twitter

Estava cortando o cabelo agora à noite no Salão Ringo, do Shopping Iguatemi, em São Paulo, quando percebi pelo espelho a entrada de um rapaz com cara conhecida. Ele estava de terno e gravata e foi para uma das cadeiras do fundo.  Não demorou para um cabeleireiro e um cliente comentarem a presença dele.  Disseram que era o advogado criminalista Gustavo Badaró, que defende o estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o “Cadu”, assassino confesso do cartunista Glauco e do filho dele, Raoni. Sim, isso mesmo… De tanto aparecer na TV nos últimos dias, seu rosto ficou mesmo conhecido. Foi por isso que o achei tão familiar.

Um engraxate entrou para apanhar os sapatos do advogado. Duas mulheres se instalaram na frente do advogado. Uma para fazer suas unhas das mãos e outra para cuidar dos pés. É mesmo importante manter a boa aparência nos noticiários de TV e nas fotos de revistas e jornais.  Gustavo carregava um livro jurídico grosso e uma caneta marca-texto amarela. Os dois sujeitos ao meu lado continuavam falando:

– Ele corta o cabelo aqui desde criança! Ele e o pai… O pai é o Sérgio Badaró, ex-advogado do Paulo Maluf…

– Sei…  Aquele que teve as ligações com um doleiro grampeadas, né?

– É… Ele falou com o doleiro aqui da frente do salão!

E continuaram falando. É, depois dizem que só rola fofoca em salão feminino!

Autor: - Categoria(s): Jornalismo Tags: , , , ,
23/03/2010 - 15:17

Um desfile de roupas de chocolate

Compartilhe: Twitter

Fazia 35 graus  no último sábado em Gramado (RS). Temperatura para deixar qualquer barrinha de chocolate se derretendo… Os visitantes do evento “Chocofest” se surpreenderam ao ver um desfile de moda com roupas feitas de chocolate. Por aqui, isso é novidade, mas a ideia já é conhecida em Paris, Nova York e até Lisboa. É de encher os olhos e de dar água na boca.

Ao todo, desfilaram 14 looks do estilista Márcio Weiss, com direito à moda masculina, feminina e infantil. As peças são feitas com uma base de arame revestida de tecido. Depois, vem o banho de chocolate, que aumenta em até 300% o peso da roupa e a deixa bem rígida. “As modelos não vestem a peça, elas entram nela”, explica Weiss, que também é coordenador de Moda e Beleza do Senac do Rio Grande do Sul.

Tem até vestido de noiva, feito com detalhes em renda de chocolate. A peça pesa 5 kg e, depois do banho de chocolate, passa a ter 15 kg. Como manda o figurino, a noiva traz um buquê de flores (de chocolate, claro). “Ficou combinado que a modelo iria jogar o buquê para o público no fim do desfile, mas eu fiquei com medo por causa do peso”, conta Weiss, depois de revelar que o adereço tinha 3 kg de chocolate.

Para driblar o calor, a saída foi confeccionar as peças e realizar o desfile com os aparelhos de ar condicionado a todo vapor…

A equipe teve trabalho, pois os 30 minutos que os figurinos passaram fora do ambiente climatizado no dia do primeiro desfile fizeram algumas pedaços das peças se derreteram. Fora que parte de outras foram comidas pelas modelos depois do desfile.

Sim, as peças são comestíveis!  Weiss e a chef de cozinha Andréa Schein fizeram uma pesquisa para descobrir como conferir mais resistência ao chocolate, não só à temperatura ambiente, mas também à do corpo. A solução foi adicionar à guloseima uma gordura especial vinda da Malásia.

As próximas edições do desfile acontecem em 26 de março e 1º de abril, às 18h30, na Rua Coberta, no centro de Gramado. Depois do evento, a intenção é doar as roupas para a cidade de Gramado. Uma indústria de chocolate já fez até uma proposta para comprar as peças e montar uma exposição com elas. O negócio agora é torcer para que a gordura da Malásia, os aparelhos de ar condicionado e o controle do apetite das modelos sejam bem resistentes!

Clique para ampliar as fotos:

Livro traz receitas de brigadeiro

Autor: - Categoria(s): Comes e bebes, Cotidiano, Datas Comemorativas, Invenções, moda Tags: , , , ,
22/03/2010 - 21:56

"Fio Maravilha" em versão italiana

Compartilhe: Twitter

Jorge Benjor, que já foi apenas Jorge Ben, completou 68 anos ontem. Em 1972, depois de ver o centroavante Fio sair do banco e marcar um golaço contra o Benfica, de Portugal, Jorge fez uma música em homenagem ao ídolo rubro-negro. “Foi um gol de anjo, verdadeiro gol de placa/Que a galera agradecida assim cantava/Fio Maravilha, nós gostamos de você/Fio Maravilha, faz mais um pra gente ver”. Algum tempo depois, um advogado cobrou os direitos de participação de Fio na música e, ofendido, Jorge trocou o “Fio” por “Filho”. Ao pendurar as chuteiras, o mineiro João Batista de Sales, o Fio, mudou-se para São Francisco, nos Estados Unidos, e foi trabalhar como entregador de pizza. Vive lá até hoje. Numa entrevista ao “Esporte Espetacular”, em 2007, ele jurou que foi tudo um mal-entendido e pediu que Jorge voltasse a cantar a música como “Fio Maravilha”.

Aqui está uma versão da música em italiano, cantada por Loretta Goggi:

Se você gostou da versão italiana, veja também a francesa, com a cantora Mélodie Stewart.

Autor: - Categoria(s): Esporte, Televisão Tags: , ,
19/03/2010 - 17:50

Picasso e "Guernica" em versão 3-D

Compartilhe: Twitter

O quadro mais importante de Pablo Picasso é “Guernica”. Em abril de 1937, o general Francisco Franco comandava o exército rebelado contra o governo republicano espanhol. Para demonstrar o poderio militar que tinha à sua disposição. Franco pediu ao aliado Adolf Hitler que enviasse uma esquadrilha de bombardeiros para destruir uma cidade da Espanha. A escolhida foi Guernica, arrasada completamente.

Picasso ficou indignado com essa brutal destruição, e pintou o quadro de 7,76 x 3,39 metros para o pavilhão espanhol na Feira Mundial de Paris. “Guernica” ficou no Museu de Arte Moderna de Nova York até 1981. A pedido do próprio Picasso, o quadro só foi devolvido à Espanha quando ela voltou a ser um país democrático. Hoje o quadro está no Museu Rainha Sofia, em Madri.

Agora, 73 anos depois, Guernica ganha uma mão da tecnologia para deixar os elementos do quadro ainda mais perto dos observadores. Lena Gieseke, da Universidade da Geórgia, Estados Unidos, transformou o cubismo de Picasso em 3D. Picasso recorreu às tintas, enquanto Lena usou o computador. Mergulhe na obra:

Autor: - Categoria(s): Viagem Tags: , , , ,
18/03/2010 - 16:55

Chocolate coloca orangotangos em perigo

Compartilhe: Twitter

O Greenpeace abriu guerra contra a Nestlé. O grupo de defesa do meio ambiente garante que,  ao comer um chocolate, o consumidor está  ameaçando a sobrevivência dos orangotangos da Indonésia. O chocolate em questão é o Kit-Kat. A composição do doce tem como um de seus ingredientes o óleo de dendê, produzido pela Sinar Mas. Segundo o Greenpeace, a empresa estaria destruindo o habitat dos orangotangos para plantar os dendezeiros.

Começou, então, uma campanha belicosa  para fazer a Nesltlé cortar relações com a Sinar Mas. Existe  até um site especial, com direito a link para os internautas ajudarem na missão de lotar a caixa de e-mails de Paul Bulcke, presidente da Nestlé. Não se preocupe com o texto.  A mensagem já foi escrita por Greenpeace, e tem versões em diversas línguas. Há ainda um vídeo que ataca diretamente o Kit-Kat… Macacos me mordam!

Autor: - Categoria(s): Animais, Comes e bebes, Propaganda Tags: , , , , ,
17/03/2010 - 17:03

Os animais sorriem? Então, diga xis!

Compartilhe: Twitter

Olha o passarinho! A  câmera fotográfica Cyber-Shot T, da Sony,colocou a famosa expressão em total desuso. O próprio equipamento se encarrega de detectar o sorriso das pessoas. Sorriu, a máquina dispara.  O “olha o passarinho” voou para longe, mas a Finepix Z700, da Fujifilm, tratou de colocar os bichinhos novamente em evidência. A nova câmera reconhece… focinhos sorridentes. Sim!  A máquina é acionada automaticamente toda vez que percebe que um animal sorridente pela frente.

Ôpa, os bichos sorriem? Normalmente, quando um cachorro está feliz, ele se expressa colocando a orelha para trás ou balançando o rabo. Mas a expressão dele também pode mudar, como  explica a veterinária Tatiana Pelucio, assessora técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária – SP: “Não é tão simples, mas o cachorro pode mudar o formato do olho e o focinho até dá uma subida. Alguns cachorros  levantam a gengiva. Quando eles ficam  felizes ou nervosos, acabam puxando a musculatura”.

Mas a Z700 ainda precisa passar por ajustes. Em uma feira de câmeras que aconteceu no Japão esta semana, a câmera reconheceu bichos de pelúcia, mas deixou um pouco a desejar com animais de verdade. Com bichos agitados, então, ela não funcionou.

Autor: - Categoria(s): Animais, Invenções Tags: , , , , , , , , ,
Voltar ao topo