Publicidade

Publicidade
01/02/2010 - 21:43

O Itaú-Personnalité e o golpe da premiação do cartão

Compartilhe: Twitter

Estou lendo a edição de janeiro de “Época Negócios”. Na página 21, encontro uma reportagem que tem tudo a ver com o que aconteceu comigo hoje: “Quem ganha? Pesquisa revela que programas de fidelização dos cartões de crédito são ótimos – para as empresas”. A mais pura verdade! Fui vítima de uma grande mentira do cartão Unicard Visa Platinum. A principal vantagem, segundo a gerente do Unibanco (Rua Casa do Ator) que me convenceu a levar o cartão, é que eu poderia escolher a companhia aérea que eu quisesse. Não precisaria passar por toda aquela burocracia dos tradicionais planos de milhagem. Com 50 000 pontos, eu já teria uma passagem para a América do Norte. O livreto “Passaporte Premium”, que veio junto com o cartão, deixava isso bastante claro (clique na imagem para ler o que o que diz o texto sobre o benefício ).

platinumvisa

Pois bem: todos sabem que o Itaú comprou o Unibanco e eu me vi compulsoriamente obrigado a mudar de banco. Não sem antes receber a visita da gerente geral da minha conta, garantindo que nenhum dos meus benefícios seria alterado. E aí que começa a picaretagem. Depois de dois anos juntando milhas, consegui atingir os 100 mil pontos, que me dariam duas passagens para os Estados Unidos. Até que chegou a hora de pedir o resgate. Ao consultar um outro gerente, o Itaú-Personnalité mandou avisar que o novo cartão não tinha mais esse benefício. Eu deveria depositar os meus pontos num Plano de Milhagem e resgatar as passagens da forma convencional. Depois de muita briga (sempre pelo telefone, pois os gerentes tinham ordens expressas de não mandar nenhum email “comprometedor” para mim), o Itaú-Personnalité, ah, tão bonzinho!, disse que abriria uma “exceção” para mim. Depois de quase um mês, cobrando isso diariamente, um outro gerente me deu a “excelente notícia”: os meus 100 mil pontos valiam R$ 2.400,00 – ou seja, apenas uma passagem em baixa temporada.

Como assim? As minhas duas passagens tinham encolhido para uma? Pedi cópia do contrato para ver quais eram as regras do índice de conversão que eles tinham adotado. Nova enrolação… Por que tanta demora para as respostas? A gerente geral dizia que o “Unibanco acabou e que toda a documentação já estava no arquivo morto”. Acabou? Pois vejo dezenas de agências ainda abertas todos os dias. Hoje ela me ligou para dizer que o índice era esse mesmo, que o índice de conversão não está escrito em lugar nenhum (ele só era informado para quem ligasse para o banco) e que aquele livrinho que eu tinha “era só uma peça de marketing”. Em resumo, o que ela quis dizer: “É pegar ou largar!”.

É isso. Eles sempre ganham. Sempre. Hoje estamos nas mãos de seis bancos: Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil, Caixa Econômica e HSBC. Com lucros estratosféricos, quem é que se importa com um pequeno cliente? Que diferença eu faço para o banco? O meu desabafo é só mais um desabafo. Todos nós sabemos as incríveis barbaridades que os bancos fazem com clientes diariamente. O Roberto Setúbal vai ter uma ótima noite de sono e eu vou ter insônia de tanta raiva que passei com as bobagens que tive que ouvir.

Autor: - Categoria(s): Brasil, Cotidiano, São Paulo, Seu passado te condena Tags: , , , , , ,

Ver todas as notas

57 comentários para “O Itaú-Personnalité e o golpe da premiação do cartão”

  1. Pedro Ferreira disse:

    Pois eu também estou com a pulga atras da orelha com o Itau Unibanco. Sou cliente do Unibanco ha 4 anos, e recebi um certificado que guardo a sete chaves me dando o direito de conta gratis para sempre. Ate aqui o Unibanco cumpriu a promessa, com exceção de R$ 2 mensais pelo envio de extrato pelo correio. Ai fui convidado a sair do Unibanco Uniclass e ir para o Personnalite. A mim igualmente juraram de pé junto que vão manter os mesmo benefícios, que meu cartão Visa Platinum do Unibanco agora se transformara em um do Itau, que além de ser gratis ainda mantem a pontuação que já tinha. Estou achando muito para ser verdade, ainda mais se tratando de uma instituição sem o menor escrupulo com clientes, funcionários e outros. Quero só ver. Infelizmente, estamos mesmo na mão de poucos bancos, fui cliente Itau no passado e jurei que nunca mais iria voltar, agora que me chamaram de volta eu estou doidinho para eles inventarem alguma coisa para quebrarem o contrato. Vou ao Procom com todo o prazer.

    • selma lourenço disse:

      Pedro,o processo que abrí contra ounibanco,também era dessa conta gratuita.Só ganhei porque guardo tudo,absolutamente tudo de correspondencias que recebo,malas-direta,propaganda,comunicado de serviços,etc.convoquei os tres advogados Unibanco,fininvest e itaú.Pois um jogava a bomba para o outro.OJuiz determimou que o reu era Unibanco,e a prova mais forte era a que parecia mais inocente:uma mala direta de propaganda de serviços,oferecendo brinde(bonus).Muito importante tbm,é ler atentamente antes de assinar qualquer docto.Se tiver dúvidas,consulte um advogado.Fique com cópias protocoladas.Os gerentes sempre t e passarão papéis para assinar,te pressionando,sem te dar tempo para ler.É aí que nos ferram.Não faça isso.Traga para casa.Analize.Voce tem todo o direito,inclusive de pedir para retificar cláusulas para que fiquem mais claras.Hoje em dia,dá até para gravar as promessas que fazem para nos empurrarem serviços e produtos,através de celulares e viva voz.Depois é só cobrar:Forum de pequenas causas,juizados especiasi,cic,procom,etc.Boa Sorte.

    • Guilherme Schwartz disse:

      Estou na mesma situação. Tenho uma conta gratuita há 3 anos no Unibanco (Uniclass) e realmente cumpriram com o combinado até o momento. Essa semana, minha gerente me ligou, dizendo que receberia um convite para migrar para o Personnalité. Pergunta: como vcs receberam esse convite? Carta comum ou registrada (necessário assinatura ao receber)? Gostaria de saber, pois tenho interesse na migração e não paro em casa pra receber minhas correspondências. Desde já agradeço!

  2. Prezado Marcelo,

    Compreendo a sua frustação e descontentamento, e compartilho sua revolta com o descaso que os bancos as vezes têm com seus clientes, porém, como cliente Uniclass Platinum, e acumulador de milhas compulsivo, gostaria de trazer algumas observações.

    Os programas de milhagem tem ficados cada vez mais complicados de se acompanhar hoje em dia. Regras sempre mudando, empresas aéreas consolidando seus programas, outras tornando-os independentes, enfim, deixou de ser algo simples já faz algum tempo.

    Uma regra de ouro é SEMPRE, antes de começar a acumular milhas/pontos para troca de um benefício, estudar e conhecer as regras do programa e fazer uma análise de viabilidade financeira para ver se compensa de fato 1) acumular essas milhas nesse programa 2) resgatar o prêmio desejado.

    Eu como cliente Uniclass Platinum, a primeira coisa que fiz ao receber meu cartão e ver as páginas do guia que você colou aqui, foi ligar na central de cartões Uniclass (muito prestativa por sinal) e confirmar quais eram as regras desse ‘bônus premium’. A época, quando consultei, as condições eram ainda piores que as que te ofereceram: eram R$ 190,00 por cada bloco de 10 mil pontos, ou seja, R$ 1900,00 que você teria a receber.

    Péssimo negócio já que com 100 mil milhas na TAM você consegueria emitir duas passagens ida e volta para a América do Norte em classe econômica na baixa temporada, e com mais 20 mil (120 mil no total) você conseguia duas passagens aéreas em classe econömica na alta temporada.

    Outra técnica que pode ser utilizada é marcar suas milhas a valor de mercado. 100 mil milhas hoje valem cerca de R$ 3000,00. R$ 1900,00 seria um péssimo negócio. Os R$ 2400,00 que te ofereceram ainda tão abaixo de mercado mas já bem melhores que os R$ 1900,00 que eu havia consultado.

    Se você ainda não fez o regaste, transfira seus pontos para a TAM e emita as passagens via TAM que você sai ganhando!

    Caso você se interesse pelo assunto, há um site chamado http://www.aquelapassagem.com.br, com um material excelente introdutório e avançado sobre acúmulo de milhas e programas de milhagem dos cartões de crédito.

    Resposta de MARCELO DUARTE: Fernando, muito obrigado pelas informações e pelos esclarecimentos! Acho importante essa troca de experiências para deixarmos de ser tratados como idiotas pelos bancos. Abraços!

  3. Guilherme Schwartz disse:

    Pedro Ferreira ou p/ quem a mesma proposta de migração Uniclass -> Personnalité: Estou na mesma situação. Tenho uma conta gratuita há 3 anos no Unibanco (Uniclass) e realmente cumpriram com o combinado até o momento. Essa semana, minha gerente me ligou, dizendo que receberia um convite para migrar para o Personnalité. Pergunta: como vcs receberam esse convite? Carta comum ou registrada (necessário assinatura ao receber)? Gostaria de saber, pois tenho interesse na migração e não paro em casa pra receber minhas correspondências. Na verdade, minha gerente não disse nada sobre manter os benefícios e verificando o site achei as tarifas do Personnalité mto altas para poucos benefícios, tanto para a conta-corrente como para os cartões. Obrigado!

    • Pedro Ferreira disse:

      Oi Guilherme Shchwartz, tomei ciencia do convite para migração ao Personnalite via recado no Internet Banking do Uniclass. Liguei para a central para me informar e para a minha gerente para decidir se mudava ou nao. Em seguida a central de atendimento do Uniclass marcou para o gerente personnalite visitar a empresa onde trabalho. Ele tinha papeis com todos os meus dados financeiros, inclusive que a minha conta e gratis e assugurou que nada vai mudar. Eu fiquei sem alternativa, o uniclass já esta sendo chamado de Itau Uniclass e sera um degrau abaixo do personnalite pela estratificacao de mercado do banco.

  4. Sou Unibanco Uniclass (não Platinum), com isenção total de tarifas, minha agência ainda não migrou para Itaú. Pergunto: numa futura migração serei Itau Uniclass ou Personnalité?

    • curioso disse:

      Resposta de MARCELO DUARTE: Pelo que sei, não existe Itaú Uniclass. Você deve virar Itaú Personnalité. Na hora da migração, o gerente vai lhe dizer que você não vai perder nenhum de seus benefícios. Mas é bom ficar muito esperto, pois, no meu caso, os gerentes se mostraram grandes mentirosos. Eles têm metas a cumprir e ficam inventando coisas que não podem cumprir depois. O caso que relato aqui do cartão de crédito é um deles.

  5. henri c.c. barthes disse:

    Bom dia! O procedimento que o senhor usou para obter explicações junto ao seu banco, com certeza, foi muito paciente e cortés, porém, pouco eficiente. Ao se lidar com um banco, é preferível tomar notas do dia, hora e nome do interlocutor. Dois telefonemas bastam. Sem resposta, o caminho é o Juizado Especial Cível mais próximo onde o “primeiro atendimento”, inteiramente grátis e sempre muito simpático, seja dito, reduz a termo o problema e ajuiza a demanda para o senhor. É facílimo. Enquanto consumidor, deve o senhor pedir a “inversão do ônus da prova”. Logo, deferida a inversão, cabe ao réu, no caso seu banco, produzir todos os documentos constitutivos de seu direito. Se não existe nenhum documento assinado pelo senhor que prove ser correto o procedimento do réu, a probabilidade do senhor ganhar a questão é bastante grande. Querendo, o senhor pode entrar em contato comigo por meio do meu e-mail para receber uma cartilha gratuita de defesa do consumidor em juízo. Pode lhe ajudar em outras oportunidades. Boa sorte.
    Atenciosamente.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo