Publicidade

Publicidade
14/10/2009 - 17:48

Minha primeira vez na Feira de Livros de Frankfurt

Compartilhe: Twitter

ingressos

Sempre que alguém falava sobre a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, o comentário era o mesmo: “Aquilo é enorme! Anda-se muito! É bastante cansativo”. Imaginava que havia aí um pouco de folclore. Mas hoje visitei a famosa feira pela primeira vez e o meu comentário não será diferente. Estou com os pés doendo de tanto andar! Foram quase dez horas ininterruptas para percorrer apenas metade da feira. Sim, só metade. Pelos meus cálculos, foi como se eu tivesse ido a três Bienais de São Paulo num único dia. Há estandes de editoras do mundo inteiro – vi livros produzidos em Bangladesh e no Vietnã. Tomei até uma taça de vinho no estande de Taiwan. Não sei exatamente o que eles festejavam. É engraçado ficar observando livros de línguas tão diferentes e, em muitos casos, não ter a menor ideia do assunto deles. Aí só dá mesmo para, ao contrário do ditado, julgar o livro pela capa. Confira um pouco do clima da feira:

entrada

feiraquatro

Hoje foi o dia de abertura. Por enquanto, a Feira de Livros só está aberta a profissionais da área. O público só pode visitá-la nos dois últimos dias (sábado e domingo).

feiracinco

feiratres

feiradois

feiraum

É tanto livro que até um dos restaurantes chiques do complexo tem também um estande de obras de gastronomia.

feiraseis

Amanhã vou visitar o estande das editoras brasileiras. A Panda Books está lá. Também tenho reuniões agendadas com agentes internacionais. Tudo aqui é assim. As reuniões para discutir negócios são marcadas bem antes. Será um dia de bastante trabalho. Para mim e para meus pés.

feirasete

Autor: - Categoria(s): livros Tags:

Ver todas as notas

10 comentários para “Minha primeira vez na Feira de Livros de Frankfurt”

  1. Marcelo, eu daria tudo para visitar uma feira dessa magnitude. Só não tinha conhecimento da limitação do acesso ao público “faminto por Literatura”. Vou acompanhar seu blog. Abraços!

  2. Ana Rodrigues disse:

    Adorei a reportagem,sou professora e sonho em ser uma grande escritora e lançar o meu livro nessa feira.Ah tambem quero ganhar o Nobel de Literatura.Ah!Ah!ah.Chic né.Um abraço e tudo de bom.

  3. Vanessa disse:

    Sempre tive vontade de conhecer eventos assim pelo mundo.
    Fiquei impressionada com a amplitude do evento, mas não posso esconder minha decepção, pois é um contraste comparado a nossa Feira do Livro, que ocorre todos os ano em Porto Alegre.

  4. Carlos disse:

    Marcelo, obrigado por trazer um pouco da gigantesca Feira de Frankfurt. Sucesso!

  5. Maria Helena disse:

    Gostaria de ter meus livros expostos nesta feira

  6. roger rocha disse:

    Belissima Profissão. Carpe diem.

  7. Carlos Bahia disse:

    É de meter inveja.

    Gostei das tuas observações sobre não entender nada das linguas asiaticas e julgar “os livros pelas capas”.

    Realmente um livro é tambem vendido “pela capa”, e isso, vejo que, não é percebido ou trabalhado pelas bienais. Existe algo autoral nas capas não valorizado nesta feiras. Veja por exemplo, a capa de um livro do século XIX até metade do século XX como era, sem nenhum grande apelo visual. E as editoras modernas abservaram a necessidade deste recurso grafico sedutor que mexe como imaginário das pessoas.
    Portanto, acredito que urge valorizar em bienais este fantastico profissional, o designer de livros.

    Obrigado

  8. Marçal disse:

    Marcelo,

    Quando morei na Alemanha, e apaixonado por leituras, me empolguei e fui, hoje penso: ler o que!, pois meu alemão era péssimo, mas a empolgação me levou a Bienal.
    Chegando la, na entrada me disseram que esse primeiro dia não era aberto ao público, só para credenciados.
    Sem ter alguma intenção, disse que morava a 200km, era brasileiro e meu alemão péssimo, acabaram comoveram a moça que me arrumou uma credencial.
    A feira estava vazia, cheguei cedo e os poucos que ainda andavam só estavam para negócios.
    quando pegava algum livro acho que pensavam, se eu era algum editor.
    Quando achei o estande brasileiro, não lembro a editora, mas tinha gibi da Monica me olhavam todos, eles de terno, aquela coisa européia, e eu cabeludo, barba por fazer provavelmente e um jeans e camiseta, me olhavam como se eu fosse algum escritor alternativo, mas que como pareço europeu, deviam pensar que vivia bem como escritor e cheio de estilo.
    Abraço e tudo de bom, suas matérias são muito boas.
    Quem sabe um dia escrevo um livro…rs
    Ja tenho alguns seus, pois sou muito curioso.

    aproveite bem.

    Marçal

  9. Natalina Fernandes disse:

    Marcelo, tenho muita von de de ir a essa feira. Quem sabe um dia, não é? Sou escritora, tenho três livros publicados e estou organizando mais dois. Quando me aposentar, quero visitar muitas feiras de livro. Abraços.

  10. Espadam disse:

    Muito interessante.parece uma viagem aFrankfurt

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo