Publicidade

Publicidade
04/09/2009 - 12:00

A morte de Bob Nelson, o caubói brasileiro

Compartilhe: Twitter

Roberto Carlos era fã do “Vaqueiro Alegre”. Quando criança, o rei gostava de colar o ouvido nos radinhos sintonizados na Rádio Nacional e ouvir as “canções de caubói” de Bob Nelson. O cantor, cujo nome verdadeiro era Nelson Roberto Perez, nasceu na cidade de Campinas (SP) em 12 de outubro de 1918. Reza a lenda que, quando Carmen Miranda se apresentou em Campinas no ano de 1939, ele a acompanhou no show. Na época, já cantava no “Grupo Cacique”.

Inspirado pelo filme “Idílio nos Alpes”, começou a arranhar o ritmo tirolês (também conhecido como “yodel”) no início dos anos 1940. Em 1943, Bob Nelson faz uma adaptação  para o português de uma tradicional canção norte-americana. Música premiada na rádio Cultura, “Oh,Suzana” torna-se um de seus maiores sucessos. A música também catapultou Bob Nelson para um evento histórico.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o dono dos Diários Associados, Assis Chateaubriand, resolveu homenagear o comandante norte-americano General Douglas MacArthur. Não teve dúvidas: mandou chamar Bob Nelson e sua “Oh, Suzana”. A homenagem funcionou: Douglas MacArthur era natural do Arkansas e adorou a versão brasileira de uma música sobre a Guerra da Secessão nos Estados Unidos. Ao final da apresentação, o general subiu ao palco e abraçou o cantor. Também foi Chatô quem deu o dinheiro para que Bob Nelson comprasse a sua primeira fantasia de caubói, com direito a chapéu e revólver no coldre.

Em 1944, Bob Nelson gravou seu primeiro disco com “Oh, Suzana” e “Vaqueiro Alegre”. Ao longo da década de 1940, apresentou-se em diversos programas de rádio e gravou músicas usando o nome artístico “Bob Nelson e seus Rancheiros”. Foi mais ou menos nessa época que ele se tornou o ídolo das estrelas da Jovem Guarda, Roberto e Erasmo Carlos.

A dupla gravou até mesmo uma música em homenagem ao caubói brasileiro: “A Lenda de Bob Nelson”, lançada em 1974. Um dos primeiros artistas a misturar a música sertaneja do interior com o country norte-americano, Bob Nelson ainda arranjava tempo para desfilar no Carnaval, sempre pela escola de samba Império Serrano. Foi no Rio de Janeiro que ele morreu, no último dia 28 de agosto, aos 91 anos.

Autor: - Categoria(s): Baú, Música Tags: , , , , , ,

Ver todas as notas

54 comentários para “A morte de Bob Nelson, o caubói brasileiro”

  1. grumetty disse:

    oh suzanna não chores por mim pois eu vou pro alabana aiai tocando bandolin

  2. Metilparabeno disse:

    Parabéns pela sua morte! Que ela inspire outras pessoas a morrerem também…

  3. Que Bob Nelson esteja em paz! Nós da Banda New Country A Kavalarya agradecemos pela vida e iniciativa musical de Bob Nelson, que proporcionou ao povo brasileiro a descoberta de um, até então, novo estilo musical ! E…desde 2000, há 9 anos, mais de 1.500 shows, estamos tentando fazer com que não morra aqui no Brasil esse estilo, modo de vida e ritmo tão contagiante, alegre e dançante que é a musica country (estilo americano).

  4. Marry disse:

    Parabens pela materia, fui fã do bob nelson e relembrar essas musicas me deixa muito emocionada, principalmente em saber que hoje já não temos aquelas lindas canções, hoje aos 59 anos fico a lembrar da minha infancia FELIZ *** SAUDADES BOB NELSON ****

  5. cigano disse:

    Foi um grande artista. Único, no seu estilo. Suas interpretações no rádio fazia-nos sonhar com os filmes de faroeste . Certamente Deus foi esperá-lo na porta, junto com São Pedro.

  6. rogerio disse:

    criado no inyerior do estado do rio, elegi o bob nelson como idolo.O tempo passou, o esquecimento… e agora leio a noticia e viajo no tempo, e sinto-me feliz apesar da passagem do nosso herói. Deus o ampare e a voce feliz autor da materia ,parabéns e muito obrigado.

  7. Anton disse:

    Justa e bela homenagem a um cantor de slimples figura e grande carisma, lembro-me bem de minha infancia e já com dois anos ouvia o Bob com suas singelas canções, em um tempo que deixa saudades, tempo de alegria e sem esse consumismo imediatista de hoje, as pessoas eram mais humanas e alegres, menos cínicas e mais solidaárias.
    Mais uma estrela no firmamneto da arte.

    • joao hidalgo disse:

      que a passagem de Bob Nelson por esta terra não caia no esquecimento, ele foi um verdadeiro artista brasileiro, simples e alegre, proporcionou alegria a muitos brasileiros, inclusive a mim, a última vez que o vi foi no Jô Soares, onde se apresentou em grande estilo, suas músicas irão continuar eternas; Deus o acolha com muita paz que ele merece.

  8. Gilmar disse:

    “saber-mos” NÃO EXISTE!!!
    É “sabermos”!
    “recordar-mos” TAMBÉM NÃO EXISTE!!!
    É “recordarmos”!

  9. Lula PE disse:

    Ah! Eu me lembro do querido Bob Nelson. Ele era tão famoso que havia naquela época também os Covers dele. Além de Oh Susana também ele cantava a do Boi Banabé que era apaixonado pela linda vaca Salomé. Que Deus o tenha recebido com forte abraço Bob.

  10. Iara Alice - Peruibe disse:

    Sabe a versão da Suzana e do amendoim?
    Cantávamos para uma professora de nome Suzana em excursões escolares. Mas só o refrão. Era assim:
    “Oh, Suzana, não chores por mim
    Vou passar a noite inteira só comendo amendoim.”
    Agora, depois de muuuuuuuuuuuito tempo entendi o sentido da frase.

  11. O crime ocorreu dentro da casa do político na noite de terça-feira no Vale do Rio Doce, em Minas Gerais; familiares disseram à polícia que ele sofria ameaças Do R7, com Record MinasTexto: A polícia de Minas Gerais procura por dois homens suspeitos de assassinar a tiros o prefeito de São Sebastião do Maranhão, no Vale do Rio Doce. Gildeci Gomes Sampaio (PTB) foi morto com três tiros em casa por volta das 19h de terça-feira (13). A polícia informou que os homens chegaram na casa em uma moto. Enquanto um ficou na porta dando cobertura, o outro entrou armado e atirou contra o prefeito e um vendedor, Ademar de Oliveira Leal, que estava com ele na sala. Os dois morreram no local. A mulher do prefeito, Jussara Perdigão de Carvalho, estava no banheiro e saiu assustada. ela foi a primeira a ver os dois baleados na sala. Alci Eduardo Mendes estava construindo uma cerca na casa do prefeito e viu a cena do crime logo depois. Os suspeitos fugiram. Policiais militares e civis de Governador Valadares devem chegar ainda nesta quarta a São Sebastião do Maranhão para tentar encontrar os assassinos. Familiares de Gildeci Sampaio revelaram à polícia que ele corria perigo por causa de divergências políticas, mas não souberam informar quem fazia as ameaças. Sampaio foi eleito no ano passado com 3.978 votos, 66% do total. A cidade tem cerca de 10 mil habitantes e fica a 351 km de Belo Horizonte.

    Noticia internet

  12. Habi Abud disse:

    Acho que está faltando uma homenagem postamo ao grande Bob Nelso, na tv record tem um programa justamente para esse tipo de ho,menagem, tendo como apresentador o jornalista Duran.
    Pensem nisso.
    grato pelo espaço.

  13. Ednaldo Marinho disse:

    Olá
    Gosto muito qdo vcs trazem músicas de outras regiões….já baixei todos albuns do Dengue Fever, músicas da Cleopatra Stratan, a versão de Asa Branca com o Demis roussos enfim..continuem trazendo essas novidades.
    Sobre o Dengue Fever, eles gravaram rocks cambojanos da década de 60, onde a famosa era Ros Sereysothea e achei algumas músicas dela inclusive uma versão em khmer de “Proud Mary” famosa com o Creedence Revival….
    E queria recomendar uma banda portuguesa “Banda do Casaco” com as músicas “Malfamagrifa” e “Cadeira do Barbeiro”
    abraços

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo