Publicidade

Publicidade

Arquivo de junho, 2009

30/06/2009 - 15:56

Livro mostra os vídeos mais bizarros do YouTube

Compartilhe: Twitter

O canal de vídeos YouTube foi criado em fevereiro de 2005. De lá para cá, ele revolucionou a maneira como assistimos à televisão, facilitando o acesso e o compartilhamento de milhares de cenas bizarras, curiosas e engraçadas. Está tudo lá. Mas onde mesmo? O difícil é encontrar estes inesquecíveis momentos.

Figura conhecida de quem acompanha o TV Curioso, o pesquisador Antonio Mier selecionou os vídeos mais engraçados e toscos de programas de TV do Brasil e do exterior que estão no YouTube. O resultado foi o livro “TV Trash”, publicado pela Panda Books, uma espécie de guia em meio ao mar de informação disponível no site de vídeos.  Mier mostra como encontrar todos eles. Veja só apenas três exemplos das barbaridades que você irá encontrar por lá:

Sílvio Santos provou que realmente topa tudo por dinheiro ao explicar tim-tim por tim-tim como funcionava a brincadeira da tábua sobre o tanque de água. Já adivinhou o que vai acontecer?

Transmitido pela TV Cultura, o programa Roda Viva é conhecido por promover debates históricos. Não foi o que aconteceu na entrevista com então candidato à presidência Orestes Quércia, em 1994. Você consegue contar quantas vezes o político gritou “caluniador” e “mentiroso”?

Anônimos também tem seu momento de estrelato. Com sotaque mineiro, ele aconselha: “Quem quiser doar, pode vir doar! Não dói nada!”. Humm…será que não dói nada mesmo?

Autor: - Categoria(s): Baú, Bizarro, Celebridades, Humor, Jornalismo, livros, Televisão, Tv Curioso Tags: , , , , , ,
28/06/2009 - 18:54

Quem é o pai do "Moonwalk"?

Compartilhe: Twitter

O passo “moonwalk” virou uma marca registrada de Michael Jackson. Mas teria sido ele o criador da novidade?

Antônio Carlos Cabrera, criador do site Mofolândia, me contou que uma das referências em vídeo mais antiga que ele conhece do “moonwalk” é do ator e dançarino Bill Bailey, de 1955 (no vídeo abaixo, ele mostra o passo nos últimos segundos) final do vídeo.

Existem citações também a respeito do cantor Cab Calloway, que teria feito o passo nos anos 30. Parece que o passo é um clássico dos dançarinos de jazz que atuavam nos cabarés do começo do século 20. Quem levou o “moonwalk” até Michael Jackson foi Jeffrey Daniels, que era seu coreógrafo na época da turnê do disco Thriller. Daniels já fazia o passo na TV americana nos anos 70, quando integrava a banda Shalamar. Veja um vídeo dele num programa inglês dançando o “moonwalk” em 1982, um ano antes de Michael apresentar o passo pela primeira vez.

Tem mais: no filme “The Blues Brothers – Os Irmãos Cara-de-Pau”, de 1980, há uma participação de Ray Charles. Observe a coreografia do pessoal que dança na rua. É uma parte da coreografia de “Thriller”, de 1983. Coincidência? Não. O diretor do filme e do clipe Thriller é o mesmo: John Landis.

Autor: - Categoria(s): Baú, Celebridades, Música Tags: , , , , , , , , , , , , ,
28/06/2009 - 16:31

Um site para indecisos. Vai visitar ou não?

Compartilhe: Twitter

Você é uma pessoa indecisa? Ihhhhh, tá demorando muito para responder… Você nunca sabe que filme assistir ou o que comer na hora do almoço? A ferramenta online Hunch foi criada para pessoas como você e pode ajudar a sanar parte dessas dúvidas.

Desenvolvida por Caterina Fake, co-fundadora do Flickr, site que armazena e compartilha fotos, o Hunch trabalha a partir do conceito de “árvores de decisão”. Você responde a perguntas genéricas, relativas a seus gostos pessoais e à dúvida que você quer responder. A partir daí,  o site apresenta recomendações e sugestões.

Fiz um teste: “Para onde devo ir nas férias?” Tive que responder a dez perguntas. A primeira era sobre o tipo de lugar (muito verde, praia, montanha, água fresca ou urbano?). Pedi também um destino com o charme do Velho Mundo, vibrante  e excitante, nem muito quente nem muito frio, cidade grande, com ar romântico, perto de outros lugares importantes e que eu pudesse ir de avião. A cidade indicada foi Roma. Mas, como é um site para indecisos, lembra?, o negócio não fica só na primeira sugestão. Havia também indicação para Madrid e Tóquio. Ainda apertei o botão “All Results” e apareceu uma lista de 211 indicações. Muitas tinham mesmo o meu tipo de perfil de viajante. Mas dar 211 opções para um sujeito indeciso é uma tortura, não?

O legal é que o site armazena as informações que você adiciona ao responder as perguntas. Ou seja: quanto mais você usa o Hunch, mais “inteligente” e afinado com os seus gostos ele fica.

Autor: - Categoria(s): Sites curiosos Tags: , , , , , ,
26/06/2009 - 09:50

"Caminho Suave" e as cartilhas de nossas infâncias

Compartilhe: Twitter

Fui a Niterói (RJ) no domingo para cobrir uma feira de games. Lá conheci alguns estudantes que estão desenvolvendo jogos para serem usados em sala de aula. Daqui a algum tempo, os alunos terão aulas, por exemplo, sobre a Segunda Guerra participando dela. Um novo jeito de aprender. Achei o máximo!  Mas também lembro com saudade dos meus cadernos de caligrafia, das folhas de papel almaço, das provas copiadas em mimeógrafo e das… cartilhas escolares!

As cartilhas surgiram por volta do século XIX. No Brasil, as primeiras cartilhas usadas eram escritas e publicadas em Portugal. Uma das primeiras a chegar por aqui foi o “Metodo Castilho para o Ensino Rápido e Aprasível”, que se dizia “tão própria para as escolas como para uso das famílias”. Escrita por Antonio Feliciano de Castilho, sua primeira edição foi publicada em1850.

Uma das primeiras escritas no Brasil,  a “Cartilha Proença” foi lançada em 1926 teve uma tiragem de 145 mil exemplares e 84 edições. Ela foi escrita pelo professor paulista Antonio Firmino de Proença (1880-1946).

Nas décadas de 40 e 50, obras como “Caminho Suave” e “Cartilha Sodré” foram adotadas pela rede pública de ensino. Escrita pela educadora Branca Alves de Lima em 1948, “Caminho Suave” vendeu 40 milhões de exemplares e participou do processo de alfabetização de grande parte daquela geração. Produzida por Benedicta Stahl Sodré, a “Cartilha Sodré” vendeu 6 milhões de exemplares entre 1940 e 1989.

Veja agora as capas de outras cartilhas, enviadas para mim pela Cecília Passos, ouvinte do “Você é Curioso?”. Talvez você se lembre de alguma. Ou vai se divertir com o material escolar de seu pai ou de seu avô!

Autor: - Categoria(s): Baú, Você é curioso Tags: , , , , , , , ,
25/06/2009 - 11:15

Patrocinadores engraçados nas camisas de futebol

Compartilhe: Twitter

José Cássio Erbisti é torcedor do Santos. Mas não se contentou em vestir apenas a camisa do seu time do coração. Há 15 anos,  José Cássio iniciou uma coleção de camisas antigas, raras e curiosas de times de futebol do Brasil e do exterior.  De acordo com seus próprios cálculos, ele tem hoje 1.840 exemplares na coleção. 

Parte delas pode ser vista numa exposição temporária do Museu do Futebol, em São Paulo. São camisas de times pouco conhecidos pelo torcedor. Para você ter uma ideia das pérolas encontradas pelo colecionador, José Cássio separou dois exemplares bem engraçados para o “Blog do Curioso”:

Reparou no patrocínio da camiseta azul do time da Matonense, do interior de São Paulo? Já pensou se os biscoitos Dunga tivessem bala para patrocinar a Seleção Brasileira?

O time do Rio Preto, de São José do Rio Preto (SP), já foi patrocinado pelo Frango Sertanejo. Será que o goleiro também teve que vestir uma camisa assim? “Infelizmente só consegui a camisa de um jogador de linha”, diz  José Cássio.

O José Cássio mostrou muitas outras camisas bem diferentes na reportagem do “TV Curioso”. Vale a pena conferir:

Autor: - Categoria(s): Tv Curioso Tags: , , ,
23/06/2009 - 22:58

O jurado do concurso de hambúrgueres

Compartilhe: Twitter

Ontem à noite fui jurado de um concurso de hambúrgueres promovido pela rede de lanchonetes America (com lojas em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre). Todo ano, o America organiza um concurso de receitas com seus clientes. Todos precisam ser amadores. Foram 5 700 inscritos. O próprio pessoal do America elegeu seis finalistas, que tiveram que preparar suas receitas na hora.

O criador da receita fazia uma rápida apresentação de seu sanduíche. Um garçom desfilava com o hambúrguer na frente dos seis jurados. Depois cada um recebia o seu. Tínhamos que avaliar o sabor, a apresentação e a criatividade de cada receita.


 
O concurso começou com o “Louvre Burger”, de Maria Jabour Rafael Graça. Ele era feito com hambúrguer de fraldinha, maionese light, paté de foie gras, mostarda Dijon, queijo ementhal e pão de hambúrguer integral. Já era quase nove horas da noite e eu estava com muita fome. Mas era preciso guardar espaço para os outros. Por isso, cada jurado comia três ou quatro bocados de cada um.

O segundo foi o “Habiburger”, de Fernanda Assumpção, a única receita veggie da noite. O hambúrguer era feito de falafel de grão de bico e fava, mais citronete de limão, hommus, alface, tomate, pepino, pão de hambúrguer com gergelim preto.

Aí veio o “Salvador Dali Burger”, de Julia Sabagga, o mais diferente de todos. Hambúrguer quadrado, ovo frito, trufas, queijo roquefort e pão de forma tostado.

O “Peladinho”, de André Pereira do Nascimento, tinha esse nome por causa do tomate pelado que trazia. Levava também alho, queijo parmesão, manjericão, calabresa fatiada, cebola picada, mussarela de búfala, alface e pão de hambúrguer tradicional. O André explicou que o hambúrguer foi inspirado num molho de macarrão que ele costuma fazer em casa.

O dentista Fábio Koji Ogawa apresentou o “Nipo Burger”. Foi o campeão na categoria apresentação. Ele encheu os olhos: o sanduíche veio todo enfeitado (não, a gueixa de papel espetada no pão e o tsuru, o pássaro da sorte de origami, não eram comestíveis). Hambúrguer angus, shitake, alho poró, óleo de gergelim, saquê, shoyu, salsão pré marinado (em vinagre branco de arroz com açúcar, saquê, wassabi em pó), coalhada seca, rúcula, wassabi, tudo num pão australiano redondinho. Fábio brincou que o Nipo Burger era uma grande mistura de todo o Oriente (Japão, mundo árabe, Austrália…).

Por último, o “Farofina Burger”, de Bruno Dalla Fina, trouxe hambúrguer angus, queijo brie, cebola picada, funghi secci, mango chutney, alface americana, farelo de pão italiano (temperado com alecrim), sal, pimenta do reino e pão ciabatta redondo.

O grande campeão foi o “Nipo Burger”. Em segundo ficou o “Farofina”, seguido do “Louvre Burger”. Os premiados não entrarão necessariamente no cardápio do America. Agora a equipe da rede fará testes para estudar a viabilidade da entrada de algum ingrediente novo ou até de um desses sanduíches vencedores. Só que, por enquanto, só eu e os quatro jurados tivemos a oportunidade de experimentar essas receitas.

Autor: - Categoria(s): Comes e bebes Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
22/06/2009 - 23:48

Sabe onde as capas dos CDs foram fotografadas?

Compartilhe: Twitter

Você sabe em que estúdio a capa do álbum “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, dos Beatles,  foi fotografada? Você sempre teve curiosidade de saber onde fica a piscina em que menininho da capa de “Nevermind”, do Nirvana, mergulhou atrás da nota de 1 dólar?

Pois a revista inglesa “Word Magazine” resolveu contar com a colaboração de seus leitores e montou um mapa virtual com as locações onde fotos das capas de discos famosos foram tiradas. O mapa da música é totalmente interativo – qualquer um pode adicionar um endereço e relacioná-lo com uma capa de disco. Vamos conhecer algumas:

A ideia da capa de “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” dos Beatles foi desenvolvida pelo diretor de arte Robert Fraser e fotografada por Michael Cooper no estúdio Chelsea Manor, localizado no 1-11 Flood Street, no bairro de Chelsea, em Londres. Lançado no dia 1º de junho de 1967, “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” foi o oitavo álbum de estúdio dos Beatles.

“What’s the Story? (Morning Glory)” é a mais bem-sucedida obra dos irmãos Liam e Noel Gallagher, da banda britânica Oasis. O álbum foi lançado em 2 de outubro de 1995 e vendeu cerca de 4,6 milhões de cópias só nos Estados Unidos.  A foto foi tirada na  Berwick Street, no bairro do Soho, na capital da Inglaterra.

O aeroporto que serviu de cenário para a foto que ilustra “All That You Can’t Leave Behind”, do U2, é o Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, em Paris, na França. A foto foi feita pelo holandês Anton Corbijn que, além de fotógrafo, dirigiu clipes de bandas como Nirvana (“Heart-Shaped Box”) e Depeche Mode (“Personal Jesus”).

Kurt Cobain , vocalista do Nirvana, passou meses pensando antes de decidir como seria a capa de “Nevermind”, lançado em 1991. O conceito final – um bebê mergulhando atrás de uma nota de 1 dólar –  surgiu depois que o músico assistiu a um documentário sobre partos submarinos. O fotógrafo Kirk Weddle foi até a cidade de Pasadena, na Califórnia e tirou cinco fotos de bebês em uma escolinha de natação. O escolhido foi Spencer Elden, cujos pais receberam 200 dólares pelo uso da imagem. Em 2008, Spencer Elden recebeu 1 mil dólares para reencenar a capa icônica – vestindo um respeitável short de banho.

Autor: - Categoria(s): Música Tags: , , , , , , , , , , , ,
20/06/2009 - 15:58

… e também o clone sueco de Elvis Presley

Compartilhe: Twitter

Ainda falando de clonagem, encontrei outra esquisitice. Sim, existem centenas de covers de Elvis Presley espalhados pelo mundo! Mas nenhum deles é tão estranho quanto Eilert Pilarm – o músico sueco canta fora do tom, num arranjo estranho e não se parece nem um pouco com Elvis Presley (em vez do topete, ele exibe uma lustrosa calvície). Ao que tudo indica, Eilert Pilarm não se importa com as críticas – o sueco já lançou 3 CDs dedicados à estranha releitura das músicas do Elvis Presley.

Autor: - Categoria(s): Baú, Bizarro, Música Tags: , , , ,
19/06/2009 - 17:32

O clone peruano da Xuxa

Compartilhe: Twitter

Em 1991, o programa “Xou da Xuxa”, apresentado pela rainha dos baixinhos, passou a ser transmitido para outros 17 países da América Latina com o nome de “El Show de Xuxa”. Mas não é que a apresentadora loira foi clonada por um canal de TV latino!

Já mostrei aqui no blog uma versão de “Ilariê” em chinês. Mas a cópia aqui em questão é totalmente deslavada. Foi feita pela rede de TV peruana Panamericana.  Tirando o nome – a “rainha dos baixinhos” do Peru se chamava  July Mayocchi – é tudo muito parecido com a original brasileira. Até as paquitas foram clonadas.

O “Xou da Xuxa” foi ao ar no Brasil entre 1986 e 1992. Alguém aí ainda tem saudades?

Autor: - Categoria(s): Baú, Televisão Tags: , , , , ,
18/06/2009 - 19:22

Quem disse que mulheres não gostam de mapas?

Compartilhe: Twitter

Existe um livro chamado “Por que é que os Homens Nunca Ouvem Nada e as Mulheres Não Sabem Ler os Mapas de Estradas”, de Alan e Barbara Pease, lançado no Brasil, em 2000.  Você acha que as mulheres não gostam de mapas?

Talvez os produtos da empresa Mapbags ajudem as mulheres a mudar um pouquinho de comportamento. Com sede em Hong Kong, a empresa de fabrica bolsas estampadas com mapas de 53 grandes cidades ao redor do mundo:

Por enquanto, não há nenhuma cidade do Brasil contemplada com um modelinho como este de Paris.

Autor: - Categoria(s): Cotidiano, Sites curiosos Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo