Publicidade

Publicidade
20/11/2008 - 10:32

O menino dos Cigarrinhos Pan

Compartilhe: Twitter

A Revista dos Curiosos circulou entre março de 2002 e abril de 2003 por uma editora que nem gosto de lembrar o nome. Na edição número 14, de abril de 2003, revelamos a identidade do garotinho que ilustrava a embalagem dos Cigarrinhos de Chocolate Pan (em 1996, a Pan resolveu mudar o nome para Rolinhos de Chocolate, para que eles não servissem de estímulo ao tabagismo). O ator Paulinho Pompéia tem hoje 59 anos. Já atuou em “Malhação” e foi apresentador do Telecurso 2000, da Globo, entre outros trabalhos.

Na época, Paulinho Pompéia deu a seguinte entrevista:

Como você foi parar na embalagem?

Eu tinha 11 anos e trabalhava no Circo Garcia, em São Paulo, como o palhaço Berinjela. Um rapaz que trabalhava na Pan gostou da minha apresentação e me chamou para fazer as fotos.

Esta foto foi um trampolim para sua carreira?

Eu comecei a ficar mais conhecido. Passei a cantar em outros circos e também em rádios. Cantava MPB, samba, bolero, valsa. Depois fui modelo de um comercial da Riachuelo e comecei a fazer teatro. Também já trabalhei na TV Manchete e na TV Record.

Você recebeu o cachê em chocolate?

Eu não comi nem o que coloquei na boca na hora da fotografia! Mas o cachê que ganhei salvou o Natal da família naquele ano. Comprei calça jeans, sapatos, meias de cano longo e até uma camisa de jérsei, que era um luxo. Não liguei para o chocolate. Nunca gostei de doce.

E o que achou da mudança dos “cigarrinhos” para  “rolinhos”?

Acho legal, porque era um tipo de propaganda tabagista. O que leva a molecada a fumar é a pose. As crianças pratricavam-na com o cigarrinho de chocolate até chegar a hora de fumar de verdade.

Foi assim para você também?

Sem chance. Nunca fumei na vida. Meu único vício é viver bem.

Autor: - Categoria(s): Baú Tags: , , ,

Ver todas as notas

1 comentário para “O menino dos Cigarrinhos Pan”

  1. giovana disse:

    olha que legal eu sempre comia!! e tambem nunca fumei!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo