Publicidade

Publicidade
28/10/2008 - 22:41

Minhas relíquias de Maradona

Compartilhe: Twitter

Diego Armando Maradona é o novo técnico da Seleção Argentina. Ao contrário de Dunga, Maradona já dirigiu dois times de futebol, isso há cerca de 10 anos. Foi técnico do pequeno Mandiyu e do forte Racing. O Jornal da Tarde informa que, em 23 partidas como treinador, ele perdeu doze, empatou oito e venceu três. Será que vai certo agora? Visitei algumas vezes Buenos Aires e posso dizer que Maradona é tratado como um Deus por lá. Existe até uma Igreja com seu nome. Tenho algumas relíquias sobre Maradona em minha coleção.

Comprei flips books com os dois gols mais famosos de Maradona. Os dois aconteceram na mesma partida: Argentina 2 x Inglaterra 0, em 22 de junho de 1986, pela Copa do México. O primeiro é o que os argentinos chamam de “Gol do Século”. Ele arranca do meio de campo, dribla meio time inglês, tira o goleiro da jogada e marca. O segundo é o gol “A Mão de Deus”. A mão, na verdade, é de Maradona. Foi um dos maiores erros de arbitragem da história das Copas. Deus só levou a culpa…

O “Gol do Século” virou também uma das estampas mais requisitadas em camisetas. Meu filho mais velho, Rodrigo, tem esta aqui.

Tenho também um livro que lembra a internação de Maradona no domingo 18 de abril de 2004. Os boletins médicos anunciaram que ele teve uma grave crise cardíaca, embora houvesse suspeita também de overdose. Ele ficou várias semanas internado e, nesse período, o povo argentino não arredou pé dali. O livro “Cosecharás Tu Siembra” traz fotos de faixas, cartazes e bilhetes colocados ao redor do hospital. As fotos foram feitas por Valeria Weiss. É muito emocionante ver a comoção argentina por seu ídolo.

Maradona quase virou personagem de quadrinhos do brasileiro Maurício de Sousa. O nome do personagem era “Dieguito”.

Mas o personagem não foi para a frente, como conta Marcus Ramone no link abaixo:
http://www.universohq.com/quadrinhos/2005/n19082005_13.cfm

Maradona também ganhou um programa de TV chamado “A Noite do Dez”. Pelé foi um dos primeiros entrevistados. Se não bastasse só apresentar, num programa, Maradona resolveu também cantar. Escolheu, veja só, a música “La Mano de Díos”, composta em sua homenagem por Walter Olmos. (veja a letra aqui:
http://letras.cifras.com.br/walter-olmos/la-mano-de-dios)

Agora assista ao vídeo e repare bem nas “Maradonetes”…

Sorte nossa que o Dunga nunca foi cantar no “Ídolos”. Disso, a gente não pode se queixar. E só disso!

(Para ler mais curiosidades sobre a carreira de Maradona, drible um, dois, três e clique aqui:
http://guiadoscuriosos.ig.com.br/index.php?cat=4224

Autor: - Categoria(s): Esporte Tags: , , ,

Ver todas as notas

3 comentários para “Minhas relíquias de Maradona”

  1. Roger disse:

    Não é só a CBF que faz extravagâncias … nunca comandou fora das 4 linhas(muito embora mandava e “desmandava” no campo). As perpectivas não são nada animadoras pros argentinos, pois não se deve confundir o passado como jogador(espetacular) e o presente como técnico(inexistente). E o própro nome já diz, (seleção) tem que ser o melhor e, eles, quanto nós sabemos que Dunga e Maradona não os são. Em 86 , tinha 11 anos na época e pensava que tinha sido 2×1.

  2. Mau! disse:

    Oi Marcelo, eu sou daqueles que acham que Diego foi o melhor jogador até hoje (baseado no que eu considero o melhor jogador).

    Como técnico, acredito que a Argentina ganha mais em superação, motivação e estímulo, do que na parte técnica, mas, acho que é isso que a seleção argentina precisa.

  3. Letícia Fagundes disse:

    Quando fui a Buenos Aires no ano passado, também achei em uma lojinha de souvernirs (mas estavam bem escondidos) esses dois flip books. Adorei e comprei para os meus sobrinhos! São relíquias!!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo